ESPELHO NOSSO



fonte vídeo:www.youtube.com

Poucas crianças aprendem a dividir um brinquedo, conviver com diferenças e tolerar defeitos

Por Rosely Sayão

Faz um tempo que observo a movimentação nos horários de entrada e saída das escolas. Fora os carros, que atrapalham o trânsito em todo entorno, há crianças e adolescentes que saem e entram, sozinhos ou com seus pais.

É uma confusão geral: correria, gritaria, malas enormes que são arrastadas sem o menor cuidado e que produzem muito barulho, buzinas estridentes etc. Sempre fico impressionada com a indiferença das pessoas envolvidas nessas situações frente a esse caos que vivenciam.

Não é muito diferente o cenário que se observa durante a período do recreio, na maioria das escolas.

As crianças parecem ficar desnorteadas com tanta liberdade: correm e gritam sem direção e, invariavelmente, também sem contexto.

O corre-corre e, os gritos não fazem parte de alguma brincadeira que exija tais manifestações.

Um dia desses, vi um garoto de uns dez anos mais ou menos, correndo em direção a alguém quando saía da escola. Talvez o pai ou um colega, não pude identificar. Acontece que, em seu trajeto, ele esbarrou com força em outro menino um pouco menor que ele que, pela força do empurrão foi ao chão.

Você imagina o que aconteceu logo em seguida, não é leitor? Uma briga entre dois meninos que para ser apartada, precisou de dois adultos.

O garoto que corria não via mais nada além da meta que ele queria alcançar. Tudo o que estava em seu caminho, ele ignorou: chegou até mesmo a pisar em uma mala estacionada, o que provocou um certo desequilíbrio em sua jornada. Ele conseguiu contornar esse obstáculo, mas ficou no próximo que era o aluno.

Dias depois ao ler o jornal, vi uma notícia que me fez lembrar desse caso.

O serviço telefônico da Polícia Militar de São Paulo registra em média  70 ligações por dia para comunicar desentendimentos ocorridos no trânsito. Pelo menos 20 desses conflitos acabam em violência física entre motoristas - Todo santo dia.

A relação entre os casos é inevitavel. Nesse mundo em que a vida é vivida com velocidade máxima e em que o outro quase sempre é um estorvo ou uma ameaça, os adultos estão dispostos a brigar por qualquer coisa a todo momento.

o trânsito é uma oportunidade excelente para isso, já que é caótico e que consome um tempo precioso da vida das pessoas.

Por que as crianças agiriam de modo diferente, se observam atentamente tudo o que acontece no mundo do adulto? A criança de uma maneira geral, só aceita que a outra seja seu par se essa estiver a serviço dos seus interesses: a brincadeira que quer brincar, o passeio que quer dar, a lição que precisa fazer etc. Fora dessas situações, outra criança a atrapalha, a ameaça.

Ter de compartilhar brinquedos, conviver com a diferença e tolerar defeitos não são atos comuns entre as crianças. Poucas delas aprendem essas lições seja na escola, seja em casa, com pais e parentes.

O curioso é que, ao observarmos a vida dos mais novos, logo percebemos que: eles brigam em demasia; exageram nas reações quando se defrontam com situações que lhes trazem dificuldade, decepções ou frustrações; não sabem administrar, tampouco resolver os conflitos que a convivência provoca.

Entretanto, não temos a mesma facilidade para constatar que estamos fazendo o mesmo em nossas vidas e que, portanto, os mais novos têm aprendido conosco a agir como agem.

Se conseguirmos retirar a venda de nssos olhos e enxergar tuddo o que temos ensinado a eles, talvez fique menos àrdua a tarefa educativa, em família ou na escola.

Só assim teremos menos confusão e tolerância frente aos erros que eles cometem, já que, afinal, são provocados por nós mesmos.

Rosely Sayão é psicóloga e autroa de “Como Educar Meu Filho” (Publifolha)
Fonte: Folha de São Paulo - Caderno Equilíbrio, 21/06  p.8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOBRE A AMBIÇÃO DO AVANÇAR DO TEMPO E SUAS RESPOSTAS: UM TOQUE DE ARTE

CRIADOR E CRIATURA

DOE VIDA: DETALHES A QUEM SE INTERESSAR