UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



E o Brasil segue engatinhando

Por Helena Moura
* Não registrei a data desta publicação na fonte porque me desfiz do jornal sem anotar a  mesma e não encontrei na internet. Mesmo assim optei por registar esta entrevista pelas importantes reflexões que ela traz.

Os investimentos do governo em inovação crescem sistematicamente. Mas para Heloísa Moura, fundadora e parceira da Ghante Inovação, o Brasil nesse quesito ainda está "aquém das grandes economias e tem baixa taxa de conversão em benefícios para a sociedade", diz. Isso sem mencionar a qualidade do gasto, entre outros problemas estruturais.

O GLOBO: O que o governo tem feito para estimular a inovação?
HELOÍSA MOURA: Neste ano o governo ampliou os recursos da Finep como parte do plano Brasil Maior, chegando a 8 bilhões - 33% a mais do que no ano de 2010 e 75% superior em relação a 2009. entre 2000 e 2008, os gastos públicos em pesquisa e desenvolvimento tiveram alta de 170%. Mais ainda que o investimento em inovação tenha crescido significativamente, ele está aquém das demais grandes economias e tem baixa conversão em benefícios para a sociedade brasileira.

. Por exemplo?
HELOÍSA: O índice de inovação aplicado à indústria, por exemplo, avançou apenas sete pontos percentuais neste período, indo de 31,5% para 38,6%, enquanto que, historicamente, segundo o relatório da Associação Européia de Organizações de Pesquisa e Tecnologia, a média internacional de crescimento alcançado é da ordem de 10% a 15%.

. E o que falta ao empreendedor para adotar a inovação como processo?
HELOÍSA: É necessário investir na formação de inovadores, na criação de ecossistemas de apoio à inovação, e na estruturação do processo de Inovação nas empresas. Também rever o foco e a estrutura dos programas de fomento à inovação, assim como suas métricas. Por exemplo, não existem programas injetando recursos de investimento na fase de pré-inovação, financiando a pesquisa necessária para mapear áreas de oportunidade e gerar propostas de soluções  inovadoras. Esse é o grande entrave para micro e pequenos negócios, e até de médias empresas.

. Qual o perfil do empreendedor inovador?
HELOÍSA: Algumas das habilidades, conhecimentos e competências necessárias são: empatia, otimismo, capacidade de ação e adaptação, energia, autoconfiança, automotivação, resistência à frustração, criatividade e foco no ser humano. E, com o trabalho multidisciplinar, é possível compor equipes combinando todas as ferramentas necessárias para a prática de inovação.
Fonte: *Jornal O Globo - Caderno Boa Chance, coluna Click!