UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



Ser quem somos: a dor e a delícia





 Na minha opinião, aceitar o desafio de ser quem somos é matéria prima da saúde e da realização que procuramos. É um exercício constante. Gosto muito de usar a palavra exercício porque me remete a um modo de experimentar o mundo, estar aberto na medida da percepção do que cada um é e pode lidar.Se a alma fosse um músculo, poderíamos dizer que cada alma tem seu tônus que em exercício pode aumentar sua "flexibilidade"; uns adquirem flexibilidade mais rapidamente e outros não. Cada pessoa é  única e não dá pra achar que o meu modo de ver a vida é o certo. Quando se pensa em  psicoterapia como possibilidade de auxílio nesse processo,, o respeito ao tempo de absorção do indivíduo, é um dos seus pressupostos mais essenciais


 Estar no mundo é coexistir com uma variedade de visões e isso pode causar angústia ou ser encarado como fato natural.É difícil olhar no espelho e ver certas verdades ainda não agradáveis, ao mesmo tempo é lindo ver os momentos em que tudo parecia perdido e conseguimos reverter uma situação complicada usando nossas capacidades. Este caminho em direção ao melhor que podemos ser é o nosso patrimônio mais significativo, um patrimônio obtido não em função de "fórmulas" alheias, mas na busca e na vivência da sua própria fórmula.

Comentários