Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

Pontos de vista

Imagem
Atualmente venho pensando sobre apegar-se excessivamente a pontos de vista. Esta dificuldade de enxergar que o que é essencial para mim, pode não ser para o outro e o quanto tal atitude pode fazer com que nos detenhamos em justificativas desnecessárias tentando converter o outro àquilo que pensamos. Isso é tentador, já vivi isso muitas vezes no cotidiano, mas ao mesmo tempo é inútil porque pode fazer com que converter o outro ao que penso se transforme no foco maior do que prosseguir no caminho que cada um tem que desenhar.  Há que se refletir se o vigor daquilo que acreditamos está em convencer o outro ou empreender os movimentos necessários para fazer acontecer o que queremos. Há situações aonde convencer é importante, quando por exemplo, você cria uma tese e precisa defendê-la para a aquisição de um título acadêmico, mas há outras situações que talvez tudo não precise todo o tempo ser colocado à prova. Será que apenas esta certeza que nos alenta já não é suficiente para seguirmos …
PERFIL DE CARGOPor Berenice Faria - Gerente de RH do Grupo HermesRecursos Humanos costuma dizer que "não existe receita de bolo para o sucesso da gestão". Mesmo diante das mudanças no rumo dos negócios, os chamados cargos e funções das empresas ainda são descritos por um conjunto de características que ganha o nome de perfil. E os equívocos em um perfil podem custar caro para organizações, gerando, por exemplo, transferências forçadas, demissões precoces e outros movimentos de pessoal não previstos no momento da contratação de um funcionário.Embora a definição desses "ingredientes" parta da iniciativa do gestor de cada área, a contribuição ou o suporte do RH precisa ser cada vez mais intenso no sentido de ajudar o gestor a ampliar sua visão. "Percebo que os gestores, em geral, têm alguma dificuldade em levantar o perfil comportamental das vagas que demandam, ou seja, que tipo de atitude suas pessoas precisam ter quando se relacionam no trabalho, ao …
Imagem
Cortinas de fumaça: o nosso dom de iludir... a nós mesmos
"Não sei mais se corrigi alguns medos que vinham me distorcendo, ou se distorci minha personalidade para não percebê-los" (Felipe Hirst)

Achei este fragmento de texto num interessante artigo sobre cinema no Jornal O Globo (para quem se interessar, matéria é do dia 09/01- Segundo Caderno). Pensei, que frase fantástica! Um poder de síntese enorme! pois é um problema presente em todas as teorias de personalidade, seja qual for a abordagem, pois, cada uma a seu modo, enfoca a questão do obstáculo ao crescimento.
  Quem em algum momento da vida não procurou colocar uma "cortina de fumaça" sobre  uma situação para esquecer, para fugir de algo que é tão difícl até de dizer o nome, quanto mais pensar sobre o assunto?
 Às vezes algumas histórias que criamos são tão bem fundamentadas intelectualmente que a mentira toma o lugar da verdade. É aí que a coisa fica complicada e a gente pode perder "o caminho de volta&q…

Poesia como múltipla possibilidade de significado e expressão da palavra: o exercício da libertação

Imagem
Poética
Manoel Bandeira
Estou farto do lirismo comedido do lirismo comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto e expediente protocolo e [manifestações de apreço ao Sr. Diretor Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho [vernáculo de um vocábulo Abaixo os puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto de lirismo namorador Político Raquítico Sifilítico De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo
O resto não é lirismo Será contabilidade tabela de cossenos secretário do amante [com cem modelos de cartas e as diferentes [maneiras de agradar às mulheres, etc Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbedos O lirismo difícil e pungente dos bêbedos O lirismo dos clowns de Shekespeare
Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.
Fonte: Os cem melhores poemas brasileiro do século - Ítalo Moriconi. Objetiva 2001





Solidão

Imagem
"Não existe solidão maior que a falta de si mesmo." (Andrea Pavlovitsch)
Imagem
O mal - estar na 'cultura somática' Maria Cristina Franco Ferraz - Professora titular de Teoria de Comunicação da UFF e autora de "Homo deletabilis: corpo, percepção e esquecimento do século XIX ao XXI", entre outros livros. Desde os anos 1990, alguns autores têm assinalado certa alteração no modo de se produzir a subjetividade nas sociedades liberais avançadas. Isso não implica que um modo de construir o "eu" tenha se esgotado, em favor de outro. O que se pode verificar são tendências de transformação em andamento. Como mostrou Foulcault, a configuração do sujeito moderno esteve ligada à crença em uma interioridade a ser examinada, na qual se aninhava sua verdade mais profunda e autêntica, associada à intância do desejo. A tensão constante entre a força da sexualidade e poderosas pressões sociais se expressava no modo como os conflitos eram vividos e elaborados em narrativas, bem como em novas ciências humanas emergentes na virada do século XIX par…
"Política de Privacidade" 

"Este site pode utilizar cookies e/ou web beacons quando um usuário tem acesso às páginas. Os cookies que podem ser utilizados associam-se (se for o caso) unicamente com o navegador de um determinado computador.
Os cookies que são utilizados neste site podem ser instalados pelo mesmo, os quais são originados dos distintos servidores operados por este, ou a partir dos servidores de terceiros que prestam serviços e instalam cookies e/ou web beacons (por exemplo, os cookies que são empregados para prover serviços de publicidade ou certos conteúdos através dos quais o usuário visualiza a publicidade ou conteúdos em tempo pré determinados). O usuário poderá pesquisar o disco rígido de seu computador conforme instruções do próprio navegador. O Google, como fornecedor de terceiros, utiliza cookies para exibir anúncios noDicasdoDan.
Com o cookie DART, o Google pode exibir anúncios para seus usuários com base nas visitas feitas a este site.
Você pode desat…
Imagem
Leituras da mente: neurociência avança no estudo da consciência e se aproxima de questões filosóficas discutidas por Aristóteles, Dante e Shakespeare


Guilherme Freitas


Enquanto explica a um leigo as principais teses de seu novo livro, "E o cérebro criou o homem" (Companhia das Lettras, tradução de Laura Teixeira Motta), o neurocientista português Antônio Damásio recorre alternadamente a estudos de ponta em suas área e à obra de alguns dos principais filósofos ocidentais, como Descartes e Spinoza. Mais que uma estratégia de popularização da ciência, a postura de Damásio pode ser entendida como uma tentativa de conectar os avanços nas pesquisas sobre consciência, memória e percepção a um tipo de reflexão sobre a natureza humana que costuma ser mais associado à filosofia, à psicologia e às artes.


Essa postura já estava presente no livro que tornou Damásio conhecido fora dos círculos acadêmicos, "O erro de Descartes", de 1994, no qual defendia que a neurociência fornecem …

O Anel dos Nibelungos: um olhar

Imagem
No primeiro domingo do ano, assisti na TV aberta um filme chamado O Anel dos Nibelungos. De modo geral gosto de filmes medievais que flertam com o "fantástico", como as Crônicas de Nárnia, O Senhor dos Anéis entre outros. No caso do filme destacado, a história girava em torno de um jovem nobre, mas por causa de uma invasão ao seu castelo, seu pai morreu e ele se perdeu da sua família, sendo criado por um hábil ferreiro que lhe ensinou o seu ofício e omitiu a verdade de sua origem. Este jovem, tornou-se um grande guerreiro capaz de feitos extraordinários.
Não vou contar o filme, claro! Pude entender que se tratava da busca do homem na direção de saber quem ele de fato é, fala de coragem em empreender esta busca ao mesmo tempo que também se refere à vulnerabilidade que sempre temos que encarar no nosso caminho e que não é possível ter tudo tampouco, saber tudo, o que se agrava ainda mais quando o homem se perde das suas referências, de quem ele é.
E isto me trouxe para os desafi…
Imagem
BORBOLETAS
Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.
Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você. 
O segredo é não cuidar…