O Anel dos Nibelungos: um olhar





No primeiro domingo do ano, assisti na TV aberta um filme chamado O Anel dos Nibelungos. De modo geral gosto de filmes medievais que flertam com o "fantástico", como as Crônicas de Nárnia, O Senhor dos Anéis entre outros. No caso do filme destacado, a história girava em torno de um jovem nobre, mas por causa de uma invasão ao seu castelo, seu pai morreu e ele se perdeu da sua família, sendo criado por um hábil ferreiro que lhe ensinou o seu ofício e omitiu a verdade de sua origem. Este jovem, tornou-se um grande guerreiro capaz de feitos extraordinários.

Não vou contar o filme, claro! Pude entender que se tratava da busca do homem na direção de saber quem ele de fato é, fala de coragem em empreender esta busca ao mesmo tempo que também se refere à vulnerabilidade que sempre temos que encarar no nosso caminho e que não é possível ter tudo tampouco, saber tudo, o que se agrava ainda mais quando o homem se perde das suas referências, de quem ele é.

E isto me trouxe para os desafios do homem de hoje. Todos somos capazes de criar, desbravar ambientes hostis, mas também há uma coisa que de algum modo sempre nos mostra que nunca poderemos tudo e olhar para essa parte  vulnerável de nós pode não ser uma experiência fácil. Por mais que o homem pense que controlou totalmente a natureza, por exemplo, vem um tzunami e deixa a humanidade perplexa, por mais que estejamos no auge da nossa potência de realização e colhendo frutos fartos daquilo que semeamos, vem uma doença, um revés qualquer, vide o que tem acontecido com a Unão Européia e os EUA, ilhas de prosperidade e excelência, perplexas frente a uma realidade que há tempos  não viviam em sua história.

Fomos capazes de avanços enormes, mas ainda sabemos muito pouco quem somos, o que na verdade é para cada um de nós importante. Nos seres humanos tanto no mundo quanto no íntimo de nós mesmos vivemos momentos de perplexidade. Cabe a cada um encontrar os seus significados para caminhar em meio a tantos paradoxos. Nós mesmos e o mundo somos uma coisa só. Se esta é a vida, viver.

Comentários