26 de fev de 2012

Grupos de ajuda: alguém pode precisar









 

 
Abaixo alguns grupos de ajuda que são maravilhosos.
Todos se caracterizam por serem movimentos filantrópicos, sem fins lucrativos, desvinculado de religiões e política,
sigilosos e são coordenados por voluntários rigoramente preparados.
Quem sabe vcs conheçam alguém que precise de um desses grupos, né mesmo?

Os sites desta lista são de
GRUPOS DE AJUDA.
São "irmandades" onde todos compartilham suas experiências e dificuldades comuns de forma sigilosa,
respeitosa e com um único objetivo: melhorar-se para viver melhor.
Nenhum está viculado a qualquer religião ou partido político e todos são totalmente gratuitos.

FUMANTES ANÔNIMOS - GRUPO RENASCER
http://www.fumantesanonimos.org/
Fumantes Anônimos é uma irmandade de pessoas
que sentiram o poder da adicção à nicotina.
Encontramos uma solução, uma maneira de viver e crescer sem nicotina, e compartilhamos isto
livremente com os outros e com cada um que deseje juntar-se a nós.

ONEOMANIA - GASTADORES COMPULSIVOS
http://saudealternativa.org/2007/05/oneomania-gastadores-compulsivos-uma-doenca-cada-vez-mais-frequente/
O ato de comprar indiscriminadamente é uma doença chamada oneomania,
que atinge as pessoas caracterizadas como compradoras compulsivas.
A oneomania é um distúrbio bastante controvertido do ponto de vista psiquiátrico e psicológico.
 
AMOR EXIGENTE
http://web.onda.com.br/charlesb/amorexig/index.htm
Uma proposta de educação destinada a pais e orientadores,
como forma de prevenir e solucionar problemas com seus filhos ou alunos.
D.A.S.A - DEPENDENTES DE AMOR E SEXO ANÔNIMOS
http://www.slaa.org.br/br/index.htm
DASA- é uma Irmandade cujos fundamentos são os 12 Passos e as 12 Tradições.
Está baseada no modelo adaptado de Alcoólicos Anônimos, para o DASA.
O único requisito para ser membro, é ter o sincero desejo de libertar-se da Dependência de Amor e Sexo.

NEURÓTICOS ANÔNIMOS
http://www.neuroticosanonimos.org.br/
Neuróticos Anônimos é uma Irmandade formada por homens e mulheres que compartilham suas experiências,
fortaleza e esperança para resolverem seus problemas emocionais comuns e assim, se reabilitarem da doença mental e emocional.

DEVEDORES ANÔNIMOS
http://www.devedoresanonimos-rj.org/informacoes.html
Para auxiliar pessoas que sofrem da Oneomania foi criado um grupo conhecido como Devedores Anônimos - D.A.,
tem o propósito de ensinar seus membros a reaprender a lidar com o dinheiro e para isso realizam cálculos das despesas domésticas
e as relacionam com os ganhos mensais da pessoa.

EMOCIONAIS ANÔNIMOS
http://www.ajudaemocional.com.br/
Reconhecer as nossas limitações é nossa grande vitória!
Fazer alguma coisa para vivermos mais felizes é nosso direito!

ALCOÓLICOS ANÔNIMOS
http://www.alcoolicosanonimos.org.br/
Alcoólicos Anônimos é uma irmandade de homens e mulheres que compartilham suas experiências,
forças e esperanças, a fim de resolver seu problema comum e ajudar outros a se recuperarem do alcoolismo.

AL-ANON
http://www.al-anon.org.br/novosite/
Para familiares e amigos dos alcoólicos

COMEDORES COMPULSIVOS ANÔNIMOS
http://www.comedorescompulsivos.com.br/
É uma irmandade mundial de indivíduos que, compartilhando experiências e apoio mútuo,
estão se recuperando do comer compulsivo.

DISTÚRBIOS ALIMENTARES - ANOREXIA E BULIMIA
http://www.saskiapsicodrama.com.br/disturbios-alimentares/
Os Distúrbios Alimentares- são doenças de caráter psicológico e sócio-cultural,
que comprometem a vida e o destino de adolescentes e mulheres jovens.
São caracterizados por distúrbios de conduta alimentar,
geralmente acompanhados de preocupação com a comida,
com a imagem corporal e relacionam-se freqüentemente com os transtornos depressivos.

NARCÓTICOS ANÔNIMOS
http://www.na.org.br/portal/
NA é uma irmandade mundial, sem fins lucrativos,
ativa em mais de 130 países.
Somos adictos em recuperação, que nos reunimos regularmente,
sobrevivendo a todas as adversidades. Percebemos que, finalmente há esperança para nós.

MULHERES QUE AMAM DEMAIS ANÔNIMAS
http://www.grupomada.com.br/site/
MADA é um programa de recuperação para mulheres que têm como objetivo primordial
se recuperar da dependência de relacionamentos destrutivos, aprendendo a se relacionar
de forma saudável consigo mesma e com os outros.

JOGADORES ANÔNIMOS - JOG-ANON
http://www.jogadoresanonimos.org/joganon1.html
Jog-Anon é uma Irmandade de homens e mulheres que são maridos,
esposas, parentes e amigos chegados de jogadores compulsivos
Este é para atendimento individual:
CENTRO DE VALORIZAÇÃO DA VIDA (CVV)
http://www.cvv.org.br/
O CVV é um programa de prevenção ao suicídio e valorização da vida,
adotado por diversas instituições mantenedoras pelo Brasil, e concretizando-se
como Posto CVV, se caracteriza por ser movimento filantrópico,
civil sem fins lucrativos e desvinculado de religiões e política.



.                                                                                
                                                                         






Quero ler o post completo

25 de fev de 2012

Depressão - Uma outra forma de olhar





O intuito de trazer este texto não é ignorar que existem diferentes tipos de depressão e dependendo do caso  o uso de medicamentos pode se fazer necessário para aliviar sintomas e aí sim compreender como o indivíduo entende o seu momento, criando condições para que novas possibilidades de percepção do problema surjam. Em certo grau a depressão não deve ser pensada como algo ruim, mas sim um convite para que o indivíduo diante de novos contextos da sua existência crie outros paradigmas para seguir adiante na sua tragetória. São os mecanismos da vida nos mostrando que não temos o controle sobre tudo e nem tampouco somos apenas um conjunto de fenômenos bioquímicos. O quanto resistimos a chegada do novo em nossa vida?




DEPRESSÃO 
 Sueli Meirelles (*) 

 Emoções como raiva, alegria, tristeza são comuns ao ser humano, diante das situações da vida. Constituem aquilo que denominamos de sofrimento existencial. A pessoa fica triste e sabe a razão de sua tristeza. Nos casos de depressão, entretanto, a principal característica é justamente o ...desconhecimento do motivo que leva à tristeza. Talvez o máximo que o deprimido consiga dizer é que “tudo o deixa triste”. A depressão não surge por acaso, nem de um momento para o outro. Ela se desenvolve quando a pessoa se encontra diante de situações para as quais não encontra solução, resultando num sentimento de total impotência, de inércia e abandono de seus desejos, metas e ideais. Pode significar que o deprimido tenha colocado a solução de seus problemas nas mãos de outras pessoas e estas agiram de maneira contrária às suas expectativas, ou que, realmente, seja uma situação acima do limite do ser humano, como nos casos de falecimento. 


 Quando uma pessoa entra em estado de depressão é comum que ela fale pouco, busque isolar-se no quarto, preferindo a penumbra à claridade. Costuma apresentar sintomas de inapetência e usar roupas escuras. Sua pressão arterial pode apresentar alterações significativas; suas mãos e pés tornam-se frios, pelo recuo de energia vital dos membros para o tronco, limitando-se tão somente à manutenção das funções vitais. A depressão costuma aparecer justamente em pessoas com um razoável potencial de energia e iniciativa, sempre que se encontram diante de situações acima do seu limite, desenvolvendo-se assim o sentimento de impotência. Tal sentimento pode também ter origem numa situação traumática de infância, cujo conteúdo emocional permanece latente, até que um evento atual funcione como fator desencadeante daquela carga afetiva, tornando-a emergente no atual momento de vida. 


 Alguns aspectos são fundamentais na avaliação de sentimentos auto-limitantes: Os sentimentos de impotência vivenciados pela criança devem-se ao fato de que, na época em que ocorreram, ainda não se havia desenvolvido na pessoa uma parte psíquica adulta responsável pelos comportamentos de avaliação e decisão. Mesmo como adulta, é importante que a pessoa se lembre de que todo problema envolve uma parcela social e uma parcela individual de responsabilidade, ou seja: Cada um é influenciado pelo seu ambiente e também o influencia. No processo de psicoterapia da depressão, o psicoterapeuta irá facilitar ao cliente o resgate de sua auto-sustentação, levando-o também a perceber a sua parcela individual de responsabilidade diante do problema, resgatando o seu potencial de ação, quanto àquilo que pode ser modificado por ele próprio. Além disso, serão utilizadas técnicas psicoterápicas de Reprogramação Mental, com o objetivo de esvaziar o conteúdo emocional retido, o qual age como um sabotador, consumindo grande parte das energias vitais da pessoa. Após o esvaziamento das emoções negativas como raiva, tristeza, medo ou dor emocional, busca-se resgatar o potencial de reação do cliente, suas qualidades positivas, com o estabelecimento de novas metas de ação, que lhe permitam retornar ao convívio diário, de maneira satisfatória. 


 Situações como morte de parentes, separação conjugal, perda de emprego, aposentadoria, crescimento e emancipação dos filhos, sobrecarga de trabalho etc., podem levar a estados depressivos, caso a pessoa não consiga promover as necessárias adaptações às novas condições de vida. Finalmente, é importante saber-se, ao contrário do que muitos imaginam, que a depressão é um sintoma de fácil tratamento, alcançando-se uma razoável melhora logo nas primeiras sessões, embora o processo terapêutico possa continuar até que o equilíbrio emocional esteja completamente restabelecido. 


 (*) Especialista em Psicologia Clínca. MBA em Gestão de Projetos (UNIPAZ). Membro do CIT-Colégio Internacional de Terapeutas. Membro da ALUBRAT-Associação Luso Brasileira de Psicologia Transpessoal. Pesquisadora de fenômenos psicossomáticos e psico-espirituais. Escritora e Conferencista. Idealizadora e Coordenadora do GERC-Grupo de Estudos Relígio-Científicos.
Quero ler o post completo

19 de fev de 2012

O desafio da busca de uma linguagem que desperte o interesse e a aprendizagem


Nas escolas com alunos de baixa renda a evasão ainda predomina, apesar dos avanços. Aprimorar a linguagem para que a aprendizagem seja mais efetiva, continua sendo uma árdua tarefa aliada a questão da necessidade de valorizar o educador. Não adianta somente estar na escola, mas a mesma deve proporcionar ao educando e a todos envolvidos no processo, um ambiente desafiador e prazeroso para que o aprender aconteça naturalmente.Na menosprezamos a complexidade existente na tarefa pelo fato do Brasil ser um país de dimensões continentais e também no ambiente escolar termos indivíduos que são únicos. Esta continua sendo uma das grandes tarefas a serem realizadas para um país com tantas ambições e conquistas já efetivadas como o Brasil.
Quero ler o post completo

18 de fev de 2012

A máquina de criar encrenca




Ao contrário do que costumamos pensar, quem aperta o botão da máquina criar encrenca não é o outro e nem a vida que em certos momentos insiste em tomar rumos inesperados. A "encrenca", a confusão começa em nós mesmos, o "botão" desta engenhoca - construída por nós mesmos, habita no nosso interior. Inverter essa polaridade para que esta máquina comece a funcionar no comando do bem que queremos, é um exercício de condicionar  nosso olhar a novos ângulos. Como é isso para você?
Quero ler o post completo

12 de fev de 2012

Nunca estamos prontos


Recebi este e-mail de uma amiga e achei interessante postar no blog. Verdade é que o corpo se tornou um patrimônio. Homens e principalmente mulheres se vêem insatisfeitos com suas aparências em função de um padrão de beleza imposto. Isto pode causar um grande sofrimento por um sentir-se inadequado, podendo afetar todos os setores da vida tollhendo o prazer e autenticidade de ser si mesmo. Por outro lado, foi esta busca de realização que moveu a Humanidade tanto para nobres finalidades quanto para outros caminhos não muitos felizes. Estamos sempre em construção. Todavia, cabe  refletir: onde estamos colocando esta Potência que habita em todos nós? 
Quero ler o post completo

11 de fev de 2012

Meninas que bebem

Por Rosely Sayão - Psicóloga. Autora de "Como Educar Meu Filho?"(Publifolha)
Fonte: Folha de São Paulo - Caderno Equilíbrio (07/02)


Garotas entre 14 e 16 anos abusam do álcool para relaxar de toda a pressão que sofrem da família e da escola.

Uma pesquisa sobre o consumo de bebidas alcoólicas foi realizada em 16 estados brasileiros pela Universidade federal de Minas Gerais. O resultado aponta um dado que devemos considerar alarmante: a partir dos 14 anos, meninas consomem mais álcool do que meninos.

Podemos creditar este fato a um outro de conhecimento de todos nós: a venda de bebidas alcoólicas embora proibida  para menores de 18 anos, acontece sem a menor cerimônia. Em qualquer bairro ou cidade do país, adolescentes compram o produto de sua preferência sem maiores problemas.

Se essa fosse a causa do problema, a responsabilidade pelo fato grave apontado no levantamento, seria toda do Estado: a falta de fiscalização e de punição para os infratores é o que contribui para que a bebida role solta, não é verdade?

Ainda assim, não estaríamos livres de nossa responsabilidade: quantas vezes fomos testemunhas dessas vendas e não esboçamos reação alguma?

Entretanto há um detalhe dessa pesquisa que quero colocar no centro da nossa conversa de hoje: Por que meninas dessa idade têm usado e abusado do álcool mais que os meninos?

Para essa pergunta não temos uma resposta certa, mas certamente podemos fazer algumas conjecturas.

Olhe para nossas crianças menores de seis anos. Você percebe que há uma diferença enorme entre meninos e meninas? Meninos são moleques: se vestem e se comportam como moleques e brincam como tal. 

Já as meninas... Ah... Elas são pequenas mulheres. Vestem-se como mulheres, se interessam por assuntos de mulheres feitas e gostam de brincar de mulher.

Sem uma intervenção firme dos adultos, as meninas pulam a fase da infância com a maior facilidade. E por falar em intervenção firme dos adultos, temos feito isso sim, mas no sentido contrário ao que deveríamos fazer. Meninas de 9 anos são levadas pelos pais - pelas mães em especial - a comemorar o aniversário em salões de beleza. elas ganham roupas provocantes e sapato de salto precocemente, têm seu próprio arsenal de maquiagem etc.

Queremos que as meninas sejam adultas logo. Para falar a verdade, nem consigo entender os motivos disso. Afinal, filho criado dá trabalho dobrado, não é isso que diz o ditado popular?

O resultado da pesquisa pode nos fazer pensar nisso: meninas sob intensa pressão social que aponta para expectativas de crescimento rápido, estão respondendo a contento.

a bebida alcoólica pode funcionar como medida social quando ingerida com parcimônia, não é mesmo? Mas há uma condição para que assim seja usada: a autonomia e a maturidade.

Garotas entre 14 e os 16 anos ainda estão em pleno processo de conquista de autonomia e vivendo ainda o seu tempo de amadurecer. Com a ajuda da família e da escola, elas poderão chegar lá. Mas muitas garotas - um número enorme - que vivem essa fase não conta com essa ajuda. Contam é com muita pressão de ambas.

Família e escola têm expectativas muito semelhantes: a de que os jovens se empenhem na conquista do êxito escolar, como se isso fosse sinalizador de alguma coisa.

Sabemos que não é, mas insistimos nisso.

Uma das maneiras que as garotas têm encontrado para relaxar o estresse a que estão submetidas parecer ser, então, a ingestão de bebidas alcoólicas.

Realmente não temos motivos para brindar.


Quero ler o post completo

5 de fev de 2012

Equilíbrio Humano




Parabenizo a Dra. Berenice Kuenerz por suas idéias e pelo (a) jornalista que a entrevistou sabendo transmitir no texto a real função das psicoterapias que é promover a existência humana no sentido de uma atuação num mundo sempre mutável e desafiador, no seu melhor. Não importa a abordagem escolhida. O importante é o passo dado em admitir que em certo momento da vida precisamos de ajuda para estar no mundo da melhor forma, na forma da alegria, do prazer.


Berenice Kuenerz aponta a viabilidade do caminho das terapias


A luta desenfreada para cumprir metas e corresponder às expectativas de terceiros acabam levando o ser humano, na maioria das ocasiões, sem que ele perceba, a estar desconectado de si mesmo. Ao se dar conta de que perdeu o controle da situação, este ser humano volta a procurar algo a que chama de equilíbrio. Estatisticamente, cresce o número de profissionais que buscam essa "retomada" por meio de alguma terapia.

A maioria dos trabalhos feitos por RHs, infelizmente, são apenas para adequar e enquadrar pessoas a uma cultura organizacional e fazê-la produzir com qualidade, esse é um grande erro, por isso, ao procurar uma atividade terapêutica é preciso se ter o foco em expandir a pessoa, ajudando-a a se conectar com sua força potencial de crescimento, a vivenciar e retirar o aprendizado de todas as situações da vida", destaca Berenice Kuenerz, diretora do Instituto da Pessoa.

Para esta psicóloga, com formação humanista integral e amplo estudo em filosofia oriental, o ideal é que cada um se sinta estimulado a vivenciar e a retirar aprendizado dessas vivências.

"Consciência de presença"

Para auxiliar o desenvolvimento desta capacidade, Berenice acredita que os trabalhos terapêuticos, aplicados por empresas ou por pessoa (individualmente), devem visar uma "consciência de presença" que envolva corpo, mente, emoção e espírito da pessoa e sua conexão com o mundo em relação consigo mesma. "Seja a Terapia Integral ou também as de orientação humanista, o importante é levar a pessoa para além dos padrões estabelecidos, proporcionando a ela espontaneidade, liberdade, criatividade e responsabilidade total por suas decisões", ressalta.

Berenice define o termo "equilíbrio" nos dias atuais como  " uma resistência e capacidade em vivenciar e responder às situações contínuas de pressão, sem perder a clareza mental, o domínio das emoções e com o menor desgaste físico e energético possível." Ela entende que, embora algumas pessoas tenham mais equilíbrio por estarem geneticamente predispostas a isso , é possível se adquirir e aprimorar esta capacidade por meio das terapias.

Escolas também não estimulam

O principal fator que leva o ser humano a se desconectar consigo mesmo, segundo a psicóloga autora do livro "Para Tornar a Vida Bela (2011, Editora Grifos)", é mesmo o cultural. ela não sugere que esta seja uma determinação corporativa, de organizações privadas e públicas, mas da própria sociedade, no seu papel de formadora. "As crianças deveriam aprender na sala de aula a como se perceberem e lidarem com seus sentimentos e emoções, descobrir e valorizar suas potencialidades, construindo autoestima e motivação para atuarem na vida", destaca Berenice. ela acrescenta que os jovens são, desde cedo, estimulados negativamente pela família, escola e mídia a admirarem e seguirem modelos externos muitas vezes totalmente diferentes de suas naturezas. Esta postura cria um padrão de repetição e enquadramento que não proporciona o autoconhecimento e nem a criatividade.

Preferindo não citar nem priorizar nomes de terapias específicas, ela reforça que o simples fato de alguém ter consciência de que precisa de uma terapia, seja para definir seu foco profissional ou pessoal, é um primeiro passo. Berenice resume o "x da questão": é vital encontrarmos um ambiente terapêutico que nos vá guiar ao autoconhecimento, a ter uma mente clara, com boa capacidade de concentração e atenção, habilidade para lidar com nossas emoções, um corpo com energia e força e um coração entusiasmado para lidar com fatos novos o tempo todo
Fonte: Jornal O Globo Boa Chance/ Gestão de Pessoas - ABRH-RJ (05/02)



Quero ler o post completo

4 de fev de 2012

Sobre o saber e o prazer



Considero este texto forte, por trazer reflexões sem meias palavras de uma questão bem atual. A psicologia há poucos séculos passou pela transição de filosofia para ciência. A finalidade deste blog é acolher as idéias presentes no mundo, trazendo vários ângulos, o que não isenta de pensar sobre a prática psicológica neste contexto trazido pelo autor. Importante sempre revermos as nossas práticas para termos a clareza de a quem estamos servindo,nos colocando sempre no excercício de não acolher irrefletidamente tudo que nos chega. Além de contribuir para a melhoria da condição humana, devemos problematizar, propor novos olhares e significados sobre os fenômenos do mundo que nos afetam.


Rubem Alves - Estórias de quem gosta de ensinar. 11a edição - Edt Cortez 1987 (Coleção Polêmicas do nosso tempo 9)


Ah! nada mais puro e honesto quanto a dor e o prazer. É que aí o corpo fala sua linguagem mais profunda, universal e irrefutável. Pascal me permitindo, direi numa paródia. "O corpo tem razões que a própria razão desconhece..." Que metafísica invocar contra uma cólica renal ou uma ridícula dor de dentes? Que razões apresentar contra o prazer do sono ou das evidências do orgasmo? Nietzsche agiu com acerto: batizou o corpo com o nome de Grande Razão, por oposição àquela razão pequena e acessória, que parece residir dentro da caixa craniana...


Lembrei-me de Galileu. Claro que a igreja não pode ser absorvida daquilo que ela lhe fez.. Mas, não se pode negar, por outro lado, que no final ela acabou por reencontrar a verdade. Pode ser que, no mundo abstrato dos que vivem em laboratórios - longe da fome, dos campos de batalha, dos navios que afundam, das câmaras de tortura -, lugar onde o sofrimento não conta e só há assépticas equações matemáticas frias e indiferentes, sim, pode ser  o Sol seja o centro em torno do qual giramos. Mas quando Galileu, o homem Galileu, carne e osso, anteviu seu corpo em sofrimento, voltou-lhe a razão de quem quer viver, distante e diferente da razão dos que só pensam:  é em volta do corpo que giram todos os sóis e planetas, em volta do corpo gira o Universo inteiro. Na verdade, quando a dor e o prazer estão em jogo e o corpo se dependura sobre o abismo, saber se o sol gira em torno da Terra ou a Terra gira em torno do Sol nada mais é que uma questão fútil.


E por que não deveria ser assim? A inteligência é filha do corpo, é função do corpo. Volta-me a sabedoria visceral de Neitzsche: "Um instrumento do seu corpo é também a sua pequena razão, meu irmão, a que dá o nome de 'espírito' - um pequeno instrumento e um brinquedo da sua Grande Razão..."


De fato, nada melhor que a dor de nos fazer recuperar o sentido das coisas que importam. Até a Nona Sinfonia fica diferente quando se está sofrendo de uma nevralgia do trigêmeo. Contaram-me de um indivíduo que perfurado por esta dor que não passava, acabou por cometer o suicídio. Por amor ao corpo, a anestesia definitiva. Que convulsão cósmica acontece quando se descobre que em algum lugar invisível deste corpo se encontra um bicho que acabará por devorá-lo...
Que outra função o corpo poderia atribuir à inteligência, ferramente e brinquedo, diferente de aumentar o prazer e diminuir a dor?


" O corpo diz para o seu eu: 'Sinta dor aqui!' Então o eu sofre e pensa em como parar de sofrer- e é isto que o faz pensar. O corpo diz para o seu eu: 'Sinta prazer aqui!' Então seu eu sente prazer e pensa no que fazer para ter de novo o prazer - e é isso que o faz pensar..." (Nietzsche).


Na verdade, parece que o pensamento surge com a dor. Para o pensamento, o estômago começa a existir no momento em que a azia aparece...quando tudo vai bem não pensamos sobre as coisas: nós a usufruimos. Fernando Pessoa estava certo: "Pensar é estar doente dos olhos". eu acrescentaria: doente do corpo inteiro. O deus da inteligência é o corpo. Sua única função é fazê-lo sobreviver, sobreviver com um sorriso...


Assim, a inteligência e qualquer Ciência que ela venha produzir, só podem ser avaliadas em função da sua relação com a vida. Os corpos fcam mais felizes? Suas possibilidades de sobrevivência como indivíduos e como espécie aumenta? Vejo os tubarões. Que sabedoria se encontra alojada de forma silenciosa e tranquila em seus corpos. Já me disseram há quantos milhões de anos existem. Me esqueci. Era muito tempo. Seremos tão sábios? Acreditamos que somos muito mais... Até nos batizamos do Homo Sapiens - título de nobreza e presunção. No fundo afirmamos que as outras espécies padecem de certa estupidez: não escrevem livros nem fazem bombas. Tenho dúvidas. Tubarões, besouros, lagartixas, formigas... todos eles carregam em silêncio nos seus corpos, uma sabedoria, toda ela a serviço da sua sobrevivência...
A situação do Homo Sapiens parece ser distinta. Ele é o único bicho em que o aumento do saber implica também num aumento das possibilidades de sua própria extinção. Que dizer de uma serpente que produz um veneno tão mortífero que ela mesma morre, pelo simples contato do líquido com a sua boca? Ou de uma borboleta que desenvolve asas tão enormes que não tem forças para batê-las? O corpo endoideceu. Fez uma coisa que decreta a sua morte. A borboleta, se pudesse falar, preferiria asas bem pequenas. E a cobra iria ao dentista pedindo que se lhe arrancassem as presas. É mais arriscado andar com o veneno dentro da boca que ser comida por um gavião... Me parece que o Homo Sapiens não se comove com tais argumentos. O que indica que sua sabedoria é temperada por aguda dose de estupidez. O "progresso da Ciência" avança sem parar, ao sabor dos estímulos econômicos e militares. Mas não se pergunta se isso faz bem à vida. Via de regra a culpa é jogada sobre os políticos, que saem de tudo isso como os únicos vilões. a Ciência e a sua lógica continuam no pedestal...


Mas haverá coisa mais importante que o corpo? todas as revoluções, todas as ordens sociais, quaisquer que sejam suas enrolações ideológicas, não devem ter como única finalidade, fazer com que os corpos vivam, vivam mais felizes?


Ás vezes penso que a Ciência se comporta como uma prostitua que reza silenciosamente, enquanto o outro faz aquilo para que pagou. Com a reza, que na Teologia da Ciência tem o nome rigor metodológico, preserva-se a pureza do saber. Claro que as intenções são boas... Mas isto não altera o desfecho. O orgasmo é sempre daqueles que podem pagar a conta. Seria bom que a prostituta parasse com suas rezas e se convertesse ao saber puro, saber pelo saber, aos sorrisos das crianças e à sobrevivência da vida. Afinal, se um pouco de inteligência nos sobra, temos de gritar, com Brecht, que "a única finalidade da Ciência é aliviar a miséria da condição humana".

Quero ler o post completo


Topo