24 de mai de 2014

PADRÕES

 


Padrões

Do momento do meu nascimento
Ao instante da minha morte
Tem padrões que devo seguir.
Assim como eu devo respirar cada respiração
Como um rato num labirinto
O caminho diante de mim se estabelece
E o padrão nunca se altera
Até o rato morrer.
E o padrão ainda permanece
Na parede onde a escuridão caiu
E se ajusta como deveria
Porque na escuridão eu deveria ficar
Como a cor da minha pele
Ou o dia em que cresci
Minha vida é feita de padrões
Que dificilmente podem ser controlados.

Paul Simon, Poeta


Nenhum comentário:

Postar um comentário



Topo