JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

Tecnologia e divulgação de produtos e serviços: uma realidade ou uma tendência?





O COMPRADOR NÃO VAI MAIS DISCAR, VAI TUITAR
Entrevista

Por Gustavo Pedrazza

A tecnologia mudou a forma como as pessoas se comunicam inclusive com as empresas. Foi pensando nessa realidade e conectando a inovação e sustentabilidade, que Gustavo Pedrazza, diretor de Arte e Criação da agência Sensorial, pensou numa solução para um dos seus clientes, uma construtora. O carioca criou uma fórmula de mostrar ofertas através da geolocalização, o que elimina aquela "panfletagem" nos sinais e no trânsito - algo, aliás, proibido no Rio.



Como surgiu a ideia? Eu percebi que as pessoas ao meu redor utilizavam cada vez mais os serviços de geolocalização para fugir do trânsito ou calcular quanto tempo demorariam para chegar a algum lugar. Vi uma oportunidade de mostrar os estandes de visitação de construtora para as quais trabalho de acordo com a geolocalização, ao invés de distribuir panfletos, que além de serem ineficientes, ajudam a poluir a cidade.

E como o recurso funciona? Os aplicativos percebem quando o motorista pára o carro, seja por causa do trânsito ou do sinal, quando o veículo não está em movimento, isto para evitar acidentes, ele recebe um informe com o estande mais próximo dentro de um raio de 7km. apesar de, por enquanto, utilizarmos o sistema apenas no caso das construtoras, é uma ideia muito funcional, em diversos aspectos para muitos segmentos.

O resultado dessa primeira experiência surpreendeu? Olha, eu confio muito nas inovações e na tecnologia. Percebemos sim, um aumento no número de visitantes dos estandes e acreditamos que este avanço se refletiu nas vendas. Foi um resultado muito bom. Já realizamos  venda de imóvel pelo whatsapp, por exemplo. Utilizar novas formas de comunicações para negócios é essencial.

Como as empresas que têm métodos tradicionais de propaganda, como o caso das construtoras, podem se reinventar com a tecnologia? O que nós percebemos é que fazíamos algo que já não tinha tanta efetividade. As pessoas mudaram suas formas de ver o mundo, de relacionamento, tudo é eletrônico. Acho que as empresas tradicionais precisam estar atentas a estas e outras mudanças que vêm por aí, pensando que esse comprador não vai mais discar, vai tuitar.

Fonte: Boa Chance

Comentários