JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

EM TEMPOS DE GRANDE VOLUME DE INFORMAÇÕES : REPRODUÇÃO OU BUSCA DE EMBASAMENTO?





" (...) Eu não acho que artistas tenham qualquer responsabilidade com que quer ou o que quer que seja . Mas acredito que o ato de escrever e de lidar com o mundo ao redor de nós é importante. Eu não acho que escrevi uma grande peça quando ela tem algo de 'importante' a dizer. ela é importante porque eu exprimi meus pensamentos por meio do texto dramático, e aquelas palavras podem dar origem a uma conversa sobre um assunto que seja de fato importante. É muito difícil para a arte mudar o mundo, mas nós podemos fazer perguntas usando a arte e podemos construir narrativas de formas novas e provocantes. Isso é o bastante para mim. Na verdade, eu não gosto quando artistas - escritores, atores, diretores - usam sua fama para criar as nossas opiniões; no máximo, talvez seja aceitável que eles nos informem de uma situação desconhecida. Mas eu sempre quero formar a minha opinião em vez de vomitar informação que outra pessoa elucubrou por mim(...)."

Neil Labute, dramaturgo americano

Comentários