INVERNO: UM TOQUE DE ARTE





Certa vez, conversando com uma amiga, musicista como eu - a gente se reunia para tocar e cantar e eu cantava - ficava intrigada por ela sempre dizer não gostar de "música triste" por estas não atraírem bons sentimentos, sendo mais de sua preferência músicas que falem coisas alegres. Lembra Val? Privilégio desfrutar do seu talento ao violão. Uma troca linda! Pra mim, música boa é sempre a bem executada em todas as suas nuances...


Penso diferente e para ilustrar, me vem a canção da Adriana Calcanhoto que gosto muito, chamada Inverno. A letra, o arranjo tem uma modernidade em que tudo se encaixa de modo incrível. Fala do quanto a vivência da dor torna tudo ao redor, triste e cinzento, as imagens que usou gosto muito. Aprecio os detalhes... E é assim mesmo. Algo tão humano isso... 

Ela fez uma canção, para talvez procurar entender ou suportar um momento difícil que pode ter sido vivido por ela ou não, mas suponho ter vindo da necessidade de compartilhar algo que sentiu ou observou. 




Na minha opinião é possível, embora ninguém está aqui falando que é fácil, encontrar beleza na dor e isso é capaz de abrir um canal de criação adormecido em cada um de nós. Criar canções, quadros, poesias, peças teatrais, instalações, performances assim como criar a nós mesmos na esfera privada dos nosso desafios cotidianos de pessoa comum, produzindo novos significados do vivido É ARTE de primeira grandeza!. Aprender a manter viva a curiosidade todo tempo. Deixar a porta aberta para a criatividade. É um exercício.

 A arte me encanta tanto pelo que é capaz de produzir, mas ao mesmo tempo, na minha visão, nos aproxima dos artistas no ato de desenvolver a capacidade de produzir novas percepções, vendo tanto na alegria quanto na dor uma oportunidade de criar novos sentimentos sobre nós mesmos e o mundo. Ah, não é fácil, mas é possível se assim desejarmos, por isso, não menospreze seus esforços. É tão bonito!!

Regina Bomfim

Comentários