JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

TRADUZIR-SE: DESCOBRINDO A POESIA DE FERREIRA GULLAR







TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo;
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.
Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.
Uma parte de mim
pesa, pondera;
outra parte
delira.
Uma parte de mim
almoça e janta;
outra parte
se espanta.
Uma parte de mim
é permanente;
outra parte
se sabe de repente.
Uma parte de mim
é só vertigem;
outra parte,
linguagem.
Traduzir-se uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?
Ferreira Gullar


Estou descobrindo a poesia. Nunca fui de ler muita poesia, não sou daquelas que recitam versos de memória, sabe dos autores e estilos, mas começo a perceber que a poesia é a expressão da palavra que não é domesticada. A palavra pode ser além dos significados atribuídos, da norma culta.
Fui percebendo que a poesia exercita em mim uma observação e um estado de alerta que auxilia na minha prática, pois a palavra pode ter muitos sentidos...
Compreender a poesia do outro, a poesia da sua dor e a poesia da sua "cura" no labirinto das suas palavras que mostram e escondem... Aprender. Aprender sobre mim. Sempre.
Regina Bomfim


Obs:  Oi! Este post foi compartilhado por um aplicativo pela primeira vez como teste. Se houver algum erro com a imagem considerem isso.

Comentários