segunda-feira, 31 de julho de 2017

OS OMBROS QUE SUPORTAM O MUNDO




Estar sempre disponível a todos e ser considerado uma pessoa forte acaba em algum momento cansando. É importante ressaltar que ajudar o outro e até mesmo renunciar sua vida para o benefício de alguém pode ser uma decisão de muita grandeza desde que em sua alma exista total sinceridade.

Os que assim procedem por vontade própria e sincera o fazem sem se queixar por um momento, mas se este não é o seu caso talvez, seja o momento de entrar em um estado de atenção aos seus sentimentos e atitudes.

Ser sempre forte e o porto seguro de todos cansa, sem falar que pode haver abusos, sim, este perfil de personalidade pode ser alvo de abusos graves. Todos temos limites e pessoas acostumadas a "resistir" são as que mais sofrem e as que levam mais tempo para reagir.

Existe uma ideia corrente de que a pessoa emocionalmente forte é alguém que sabe controlar seus sentimentos. Mesmo após a divulgação de estudos sobre "inteligência emocional", é comum ainda se considerar a emoção o oposto da razão.

O que cada um tem dentro de si é uma riqueza porque é algo que jamais se repetirá em nenhum lugar e em outra pessoa e por isso, único. É um patrimônio que não se vende nem compra: você é um presente dado para e pela a Vida.

Imaginar um coração forte quase sempre é pensar numa pessoa sempre alerta, se defendendo todo tempo, pronta para o ataque, atrás de uma armadura forte, alguém que mantém a cabeça fria para sempre manter o controle neste mundo complexo, exigente e que pode ser doloroso, que é o universo das emoções e sentimentos. No entanto, a personalidade forte nem sempre apresenta este tipo de arquitetura psicológica.

O compromisso que as pessoas mantém com as outras muitas vezes alimenta a ideia de resistência ou força emocional. É estar sempre firme para prestar ajuda quando os outros caem, buscando ser útil, prestativo. São perfis que se colocam como "porto seguro" em meio às tormentas, o pilar onde todos se guiam, a rocha que todos se apoiam para atravessar os rios...

Lutar e vencer muitas batalhas, até que um dia cansam. Um convite para a sua reflexão. Vamos juntos?

OS OMBROS (CANSADOS) QUE SUPORTAM O MUNDO

Há um momento que a pessoa começa a sentir um esgotamento imenso. Pode haver ou não queixas de saúde, mas o fato é que estas pessoas perderam o endereço de si mesmas. O indivíduo também pode perceber claramente que alcançou um nível de sobrecarga além do que pode dar conta. Sua capacidade de desempenho e de autocuidado entrou em colapso que são incapazes no momento de se reconhecer diante do espelho. O que aconteceu comigo? Eu era tão forte!

O corpo e a alma deu tantos sinais e agora eles disseram juntos "chega". Quase sempre na história destas pessoas existem um grande excesso de responsabilidades e compromissos com os outros, sobre seus ombros, seu coração. Na realidade, mais do que pessoas fortes, são acostumadas a praticar uma resistência extrema, pouco saudável, onde não há autoproteção.

São mulheres (mais comum) e homens acostumados a se colocarem em segundo plano para aparentar força e ser sempre este farol para todos que precisarem. e muitas vezes o que recebem em troca é desrespeito, amargura e solidão.

É POSSÍVEL REVERTER ESTE QUADRO?

Muitas vezes ser forte é para o indivíduo até mesmo um motivo de orgulho, pois ele se vê dando conta das diversas solicitações com grande eficiência e por conta disso , vai assumindo cada vez mais tarefas e as solicitações só fazem aumentar, mas o indivíduo está ali cuidando de tudo com grande competência e as pessoas pedindo, exigindo até... É como caminhar, correr numa esteira com velocidade crescente (lembra do teste ergométrico? eu detesto a hora que tem que correr! rs). Só que chega um momento que a velocidade é muito grande para suportar, mesmo sendo um "atleta" experimentado. E a pessoa não sabe como parar a "esteira".

O que devemos fazer nesta hora? Diminuir o ritmo? Negociar reduzir a intensidade? De jeito nenhum! o certo é parar, sim, parar! Nosso coração precisa se recuperar.

CUIDAR DE SI MESMO

Aprender a ser forte para si mesmo e não para os outros. Para isso é preciso fazer mudanças, focar nos "conflitos" vitais e cotidianos de uma forma mais harmônica, consistente e saudável.

LIMPANDO POUCO A POUCO O "TERRENO"

Aprender a deixar de lado o ato de "ter razão" renunciando aos conflitos, problemas e situações que não têm solução. Você já gastou muito tempo com coisas que não valem a pena.

Não esperar que as pessoas satisfaçam às suas expectativas e nem tentar satisfazer às dos outros. Quase sempre uma fonte permanente de frustrações.

Dar importância às suas necessidades, ocupar-se disso. Satisfazer suas necessidades.

Não é preciso ser um herói. Você não pode salvar o impossível e nem dar felicidade a quem não sabe o que é alegria, respeito e reciprocidade.

Cuidar de si mesmo e ser forte para a si mesmo.
E esse post ficou muito longo!! rs

Regina Bomfim







quinta-feira, 27 de julho de 2017

ESTOU "IN LOVE" COM O NOVO LAYOUT DO BLOG: ESPERO QUE GOSTEM




Olá queridos leitores!! Gostei muito deste novo visual do blog. Tudo foi feito para tornar a sua navegação cada vez mais amigável.  Sempre estou procurando tornar a experiência de vocês bastante agradável por aqui. Espero que tenham gostado e sigo em frente com muita alegria de produzir conteúdos que possam ser úteis no cotidiano de vocês. 

Postei no Facebook falando sobre as mudanças e depois tive a ideia de deixar registrado aqui hoje num post especial.

Lembrando que os posts acontecem sempre às segundas. Fico contando os dias para poder compartilhar com vocês e sempre estarei aberta para ouvir seus comentários seja sobre como está a experiência de navegar com este novo template seja para ouvir sua opinião sobre os textos que procuro pensar em temas que possam contribuir de algum modo e promover e prevenir a saúde integral.

No blog é possível seguir-me nas redes sociais, seguir o blog e peço que divulguem para seus amigos.

O PSICOLOGIA EM FOCO está também no Twitter (@reginabomfim2) e no Pinterest (PSICOLOGIA EM FOCO).

Então é isso! Grata sempre pela sua atenção! Segunda-feira estaremos juntos. O post já está prontinho e vai ser forte...

Regina Bomfim

segunda-feira, 24 de julho de 2017

COBRAR A SI MESMO EM EXCESSO: UM TEXTO QUE VAI FUNDO...





"Amigo, não seja um perfeccionista. Perfeccionismo é uma maldição e uma prisão. Quanto mais você treme, mais erra o alvo. Você é perfeito, se permitir ser.

Amigo, não tenha medo de erros. Erros não são pecados. Erros são formas de fazer algo de maneira diferente, talvez criativamente nova.
Amigo, não fique aborrecido por seus erros. Alegre-se por eles. Você teve coragem de dar algo de si." 

Fritz Perls

segunda-feira, 17 de julho de 2017

SOBRE AMOR E LIBERDADE: COM UM TOQUE DE ARTE





Sobre as voltas que o mundo dá... Essa coisa de ter um post já pronto, mas, ontem ouvindo a canção de 1977 Sonhos,  do Peninha (há muitas regravações, ouvi cantado por ele).,me deu vontade de ousar falar de amor, inspirada por um texto de Osho. Ele diz que o amor não é contra a liberdade, mas o amor é um meio para alcançar a liberdade, porque segundo ele, o amor nunca possui e o amor nunca pode ser possuído.

A música do Peninha, além de ser belíssima em toda sua estrutura e execução, produz imagens na mente e faz com que ao ouvir a letra, você compartilhe com ele a emoção de um encontro amoroso que se mostra tão intenso e pleno, quando o cantor fala do quanto viver este sentimento fez com que acreditasse mais na vida e se tornasse alguém mais disposto a celebrar a existência por causa desta experiência.




E de repente o anticlímax: quando a canção se fez mais forte, mais sentida/ quando a poesia fez folia em minha vida/ você veio me contar dessa paixão inesperada por outra pessoa...

Falar dos desencontros do amor, é refletir muito mais do quanto estamos dispostos a viver uma história de "peito aberto" ao ponto de se em algum momento ela acabar, possamos mesmo depois de um tempo dizer para nós mesmos: mas não tem revolta não/ eu só quero que você se encontre... do que a raiva (também natural desde que não leve a crime passional e afins) que sentimos do outro por não ter satisfeito nossas expectativas. Ou seja, um encontro por si sempre pode ser uma riqueza ao invés da tortura de procurar encaixar o outro no nosso modelo de felicidade. É um desafio aprender que o outro não existe para satisfazer as nossas expectativas. E o que acaba ficando sempre, é a capacidade de ser inteiro, aprendendo com cada encontro. Exercícios...

Osho também diz, uma coisa que nunca havia pensado e me marcou muito:
 "(...) A liberdade é o valor supremo. Nem mesmo o amor é superior à liberdade. A liberdade é o valor supremo; em seguida vem o amor. E há um conflito constante entre amor e liberdade. O amor tenta tornar-se o valor supremo. Ele não é. E o amor tenta destruir a liberdade; só então ele pode ser o valor supremo. E aqueles que amam a liberdade passam a ter medo do amor."


E termino lembrando uma linda canção do Arlindo Cruz

Se perguntar o que é o amor pra mim 
não sei responder
não sei explicar...

Regina Bomfim

Referência:

Osho - Intimidade: como confiar em si Mesmo e nos outros. São Paulo: Editora Cultrix, 2006

Letra da canção Sonhos (letra e música Peninha)





segunda-feira, 10 de julho de 2017

RELAÇÕES SOCIAIS NA TERCEIRA IDADE: É POSSÍVEL FAZER NOVAS AMIZADES?



Algumas pessoas no final da fase adulta e início da velhice​ acreditam ser incapazes de fazer novas amizades, empobrecendo deste modo, o seu círculo social de apoio.

A psicóloga Raquel Ribeiro, usa o conceito de reflorestamento e desmatamento social como modo de análise do contexto social do idoso no Brasil à semelhança das florestas. Os seus relacionamentos estão arborizados ou desmatados? Na medida do desejo de cada um, quais as ações que podem ser pensadas para enriquecer o círculo social do idoso?

O desmatamento social  pode ocorrer nas mais diferentes fases da vida pelos mais variados motivos.  Mudança de cidade, escola faculdade, residência, país etc. Estes afastamentos também ocorrem​ com algumas pessoas próximas. Mudança de emprego, projeto, desemprego, divórcio, separação, doenças incapacitantes, entre outros. Estas ocorrências podem abrir espaço para um processo de reflorestamento social.

O reflorestamento social se dá quando começamos a nos relacionar com as pessoas no locais que passamos a frequentar como escola, igreja, vizinhança, emprego, shows etc​.

Desmatamento e reflorestamento social é uma experiência individual variando conforme a cultura e contexto histórico.

Na verdade, perdas acontecem em qualquer momento da vida com todas as pessoas. O problema é quando o desmatamento social ocorre por crenças pessoais e sociais limitadoras.

A crença social mais comum é a ideia de estar próximo da morte. Pessoas saudáveis com 60 e 90 anos costumam dizer que não vale a pena investir em ampliar suas relações, adquirir novos conhecimentos e habilidades porque a morte é a única certeza real neste seu estágio de vida.

Saber de pessoas que vivem 120 anos nos dias atuais já não é uma coisa tão rara, ou seja, é possível viver mais 60, 50, 40, 30 anos. De certo modo, se preparar para viver mais não é mais algo tão incomum para os crescentes avanços na saúde que testemunhamos. Yes we can!rs

Com tudo isso, a velhice, no imaginário social ainda é associada a improdutividade, uma lista interminável de doenças e remédios e a inatividade. É comum observar o discurso de pessoas com 60 anos ou mais nesta direção e muitas vezes ocorre que a família numa atitude de reconhecimento pelo amor e cuidados dispensados, colocar o idoso numa espécie de "altar" envolvendo-os num excesso de cuidados, apesar de estarem aptos a realizarem suas atividades cotidianas, assim como aprender coisas novas.

Um reflexo desta visão social, é a dificuldade de se inserir no mercado de trabalho e como foi dito acima, o excesso de cuidados dos filhos e netos por temerem que acidentes se repitam e por acreditarem ser tarde demais para ingressarem em escolas e universidades. Acham também que devem manter uniões infelizes por estarem velhos demais para buscar uma nova relação mais feliz, dificultando que o reflorestamento social aconteça.

NÃO PRECISA SER ASSIM

Estudos mostram que o envelhecimento da população no Brasil já é um fato, tornando necessário pensar com mais efetividade não só sobre políticas públicas, mas começar a enxergar a velhice como potência, relações e criação vendo nesta população não só um nicho de mercado (que existe também), mas como indivíduos capazes de contribuir. Qualquer momento é bom para iniciar o reflorestamento social, caso seja o desejo do idoso.


O QUE PODE SER FEITO
Iniciar ou retomar novos projetos (lazer ou trabalho), fazendo cursos, lendo livros atuais, se comunicando com seus autores (usando o e-mail).
Existem espaços dedicados aos idosos em colégios e Universidades, grupos de idosos e redes que falam sobre o envelhecimento ativo no Brasil como o Lab 60+ (www.lab60mais.com) e o Movimento Ativo e Saudável (www.ativoesaudavel.com.br) entre outras iniciativas.
O processo de reflorestamento social pode contribuir para que o idoso se sinta valorizado, mantenha relações positivas com outras pessoas e acima de tudo, se sinta feliz.
Regina Bomfim
Referências:
Site da psicóloga Raquel Ribeiro:  www.cuidadordeidosos.com.br








segunda-feira, 3 de julho de 2017

VOCÊ DECIDIU QUE VAI EMAGRECER... SUA SAÚDE É BOA...


E então, você que está emagrecendo, está fazendo para você ou para os outros?

Regina Bomfim



Obs: Este vídeo é do Youtube. A Alexandra Gurgel tem um canal chamado Alexandrismos e ela discute com muita propriedade e bom humor as questões da obesidade na mulher que em geral é a mais cobrada para ter um "corpo perfeito". 
Vi uma entrevista dela no canal Futura e gostei muito. Vocês sabem da minha "antena ligada" para as questões do cotidiano que procuro ligar à psicologia. Um post pode vir até de uma frase num banheiro, um entreouvido rs. Comente, compartilhe.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...