UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



OS OMBROS QUE SUPORTAM O MUNDO




Estar sempre disponível a todos e ser considerado uma pessoa forte acaba em algum momento cansando. É importante ressaltar que ajudar o outro e até mesmo renunciar sua vida para o benefício de alguém pode ser uma decisão de muita grandeza desde que em sua alma exista total sinceridade.

Os que assim procedem por vontade própria e sincera o fazem sem se queixar por um momento, mas se este não é o seu caso talvez, seja o momento de entrar em um estado de atenção aos seus sentimentos e atitudes.

Ser sempre forte e o porto seguro de todos cansa, sem falar que pode haver abusos, sim, este perfil de personalidade pode ser alvo de abusos graves. Todos temos limites e pessoas acostumadas a "resistir" são as que mais sofrem e as que levam mais tempo para reagir.

Existe uma ideia corrente de que a pessoa emocionalmente forte é alguém que sabe controlar seus sentimentos. Mesmo após a divulgação de estudos sobre "inteligência emocional", é comum ainda se considerar a emoção o oposto da razão.

O que cada um tem dentro de si é uma riqueza porque é algo que jamais se repetirá em nenhum lugar e em outra pessoa e por isso, único. É um patrimônio que não se vende nem compra: você é um presente dado para e pela a Vida.

Imaginar um coração forte quase sempre é pensar numa pessoa sempre alerta, se defendendo todo tempo, pronta para o ataque, atrás de uma armadura forte, alguém que mantém a cabeça fria para sempre manter o controle neste mundo complexo, exigente e que pode ser doloroso, que é o universo das emoções e sentimentos. No entanto, a personalidade forte nem sempre apresenta este tipo de arquitetura psicológica.

O compromisso que as pessoas mantém com as outras muitas vezes alimenta a ideia de resistência ou força emocional. É estar sempre firme para prestar ajuda quando os outros caem, buscando ser útil, prestativo. São perfis que se colocam como "porto seguro" em meio às tormentas, o pilar onde todos se guiam, a rocha que todos se apoiam para atravessar os rios...

Lutar e vencer muitas batalhas, até que um dia cansam. Um convite para a sua reflexão. Vamos juntos?

OS OMBROS (CANSADOS) QUE SUPORTAM O MUNDO

Há um momento que a pessoa começa a sentir um esgotamento imenso. Pode haver ou não queixas de saúde, mas o fato é que estas pessoas perderam o endereço de si mesmas. O indivíduo também pode perceber claramente que alcançou um nível de sobrecarga além do que pode dar conta. Sua capacidade de desempenho e de autocuidado entrou em colapso que são incapazes no momento de se reconhecer diante do espelho. O que aconteceu comigo? Eu era tão forte!

O corpo e a alma deu tantos sinais e agora eles disseram juntos "chega". Quase sempre na história destas pessoas existem um grande excesso de responsabilidades e compromissos com os outros, sobre seus ombros, seu coração. Na realidade, mais do que pessoas fortes, são acostumadas a praticar uma resistência extrema, pouco saudável, onde não há autoproteção.

São mulheres (mais comum) e homens acostumados a se colocarem em segundo plano para aparentar força e ser sempre este farol para todos que precisarem. e muitas vezes o que recebem em troca é desrespeito, amargura e solidão.

É POSSÍVEL REVERTER ESTE QUADRO?

Muitas vezes ser forte é para o indivíduo até mesmo um motivo de orgulho, pois ele se vê dando conta das diversas solicitações com grande eficiência e por conta disso , vai assumindo cada vez mais tarefas e as solicitações só fazem aumentar, mas o indivíduo está ali cuidando de tudo com grande competência e as pessoas pedindo, exigindo até... É como caminhar, correr numa esteira com velocidade crescente (lembra do teste ergométrico? eu detesto a hora que tem que correr! rs). Só que chega um momento que a velocidade é muito grande para suportar, mesmo sendo um "atleta" experimentado. E a pessoa não sabe como parar a "esteira".

O que devemos fazer nesta hora? Diminuir o ritmo? Negociar reduzir a intensidade? De jeito nenhum! o certo é parar, sim, parar! Nosso coração precisa se recuperar.

CUIDAR DE SI MESMO

Aprender a ser forte para si mesmo e não para os outros. Para isso é preciso fazer mudanças, focar nos "conflitos" vitais e cotidianos de uma forma mais harmônica, consistente e saudável.

LIMPANDO POUCO A POUCO O "TERRENO"

Aprender a deixar de lado o ato de "ter razão" renunciando aos conflitos, problemas e situações que não têm solução. Você já gastou muito tempo com coisas que não valem a pena.

Não esperar que as pessoas satisfaçam às suas expectativas e nem tentar satisfazer às dos outros. Quase sempre uma fonte permanente de frustrações.

Dar importância às suas necessidades, ocupar-se disso. Satisfazer suas necessidades.

Não é preciso ser um herói. Você não pode salvar o impossível e nem dar felicidade a quem não sabe o que é alegria, respeito e reciprocidade.

Cuidar de si mesmo e ser forte para a si mesmo.
E esse post ficou muito longo!! rs

Regina Bomfim







Comentários