domingo, 31 de dezembro de 2017

O TEMPO



"O ser humano é orientado pelo tempo. Porém, é complicado para o ser humano atual orientar-se no tempo. O tempo é pouco para tantas realizações que ele almeja. "Não se pode perder tempo", este precisa ser potencializado ao máximo, extrair dele o maior proveito. Para muitos, comer, dormir é  perda de tempo. Para o ser humano atual, parece que o tempo encurtou; ele precisa de tempo para trabalhar, estudar, cuidar da família, ter lazer... Precisamos ter nova visão do tempo. Ele não é só para ser ocupado, mas para ser vivido, desfrutado (isso é por minha conta, rs). E viver o tempo é parar alguns minutos e deixá-lo passar contemplando o céu, o luar, o mar, as aves voando, as flores perfumando; curtir a sua própria companhia (também por minha conta); ouvir e curtir os filhos, o cônjuge, os amigos. Deste modo, o ser humano vai realmente viver o tempo".
Dra. Ely Barreto, Psicóloga

Este texto veio a mim depois de ter assistido o filme sobre a vida de Villa-Lobos. Interessante saber que sua obra no início foi muitas vezes rejeitada e ele continuou compondo intensamente. Ia a todos os lugares, viajou o Brasil e em todos os lugares e pessoas via a música. 

Ele mergulhou nos sons da natureza e era um observador atento do que o rodeava. Villa-Lobos  foi um homem conhecido por seu temperamento intenso, sem meias palavras cuja maior ambição era retratar em forma de música o seu amor pelo Brasil, criando uma obra mais próxima da brasilidade possível, sem ignorar as contribuições da tradição, como seu amor por Bach que o fez criar as Bachianas Brasileiras que trago para ilustrar este belo texto acima.

Vi boa parte do filme, mas não até o final, por considerá-lo um pouco prolixo, usando muito o onírico... Um filme longo que talvez sua linguagem tenha sido complexa pra mim. O fato é que amo Villa-Lobos, como amo o meu Brasil, apesar de tudo, porque ele soube exaltar a beleza do nosso povo (como disse Gilberto Gil, a Casa Grande construiu muitas coisas boas, mas a Senzala deu o que é de mais fundamental à nossa cultura - leia-se senzala, como também os índios e todos os ditos excluídos) fruto de um mergulho de corpo e alma em suas experiências sendo passional desde sempre em suas escolhas. Na minha opinião, isto é aproveitar o tempo e aproveitar o tempo é dar sentido à vida e não ser uma pessoa perfeita, pois Villa Lobos não foi. Belo exemplo.
Regina Bomfim

Curta,, comente compartilhe e se inscreva para receber pontualmente os posts. Grata por sua atenção!

sábado, 30 de dezembro de 2017

RELAÇÃO COM OS COLEGAS DE TRABALHO: DEIXANDO UM POUCO DE LADO A FICURA DO LÍDER



Photo by rawpixel.com on Unsplash

Até que ponto é possível estar rodeado de relações tóxicas e isso ser considerado normal, mas no final do dia fica aquele mal estar inexplicável? Na família, nas amizades, o chefe que muitas vezes é analisado em sua conduta nos artigos sobre liderança. Nenhum destes núcleos está isento de ocorrerem estes tipos de situação. 

Há, deste modo  relações tóxicas com colegas de trabalho  produzindo um cotidiano muito difícil, interferindo sensivelmente na produtividade podendo causar até mesmo doenças como ansiedade, estresse e depressão. 

Saiu no jornal um texto muito interessante e que vale compartilhar as reflexões É uma situação delicada que envolve um autoconhecimento das pessoas (ambas partes) envolvidas que podem não perceber o que ocorre, assim como também pode ser deliberado. Veja o link: Colegas que são tóxicos


Existiu no blog algum tempo atrás posts semelhantes

RELAÇÕES ABUSIVAS

BULLYING NO TRABALHO

Regina Bomfim


Comente no blog, compartilhe. Gratidão!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O QUE É FEITO PARA DURAR? E O QUE É BREVE?


É tão difícil lidar com o que é breve por saber que vai ter um fim...
Todo mundo fala  e os tempos velozes comprovam: A vida é breve.
Pessoas falam que antigamente as coisas eram fabricadas para durar e hoje tudo é descartável, até mesmo as relações.

Pensando sobre coisas e relações: o que deve durar e o que deve ser breve? 
É um exercício caminhar entre estes "dois mundos"
Será que são assim tão "polarizados" mesmo?

É possível falar hoje em coisas que duram? E mesmo o que aos nossos olhos representam algo que dura, será que o que dura se torna durável porque aceitou os ciclos bons ou ruins da sua condição de ser duradouro? Ou durar é algo que se deve manter intocável, inalterado?

Mas o que deve durar e o que deve ser breve?

Regina Bomfim

O nome da canção que inspirou e ilustra o texto chama-se Canção Breve.  Se gostou, comente, compartilhe.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

PREVENÇÃO EM PSICOLOGIA AO ALCANCE DE TODOS





PSICOLOGIA, SAÚDE MENTAL, PREVENÇÃO, PROMOÇÃO DE SAÚDE, ARTES E ECOLOGIA. O blog procura trazer estas reflexões. 

Hum... Pensei muito em em deixar ou não este título. Ele soa polêmico? Messiânico?  "A pessoa" quer inventar a roda? Polêmico, pode ser, mas decidi deixá-lo porque minha intenção é  pensar junto, sugerir reflexões acerca do tema saúde procurando ver sempre a pessoa humana como um todo.


Falar em prevenção é enfatizar a importância da auto observação sem julgamento trazendo como alternativa a escrita terapêutica. A auto observação do sentir, como as mãos que apalpam as mamas para observar algum nódulo ou cor diferente, como observar a pele se tem algum mancha diferente, o cansaço, a falta de ar, etc.

Falar de prevenção é reafirmar o que já é quase que um consenso quando é enfatizado a importância da boa alimentação, da atividade física, o contato com a natureza como vivências básicas no sentido de iniciativas ao alcance de todos: fazer caminhadas, buscar maior contato com a natureza e  adicionar mais frutas, legumes e verduras no cardápio diário. Estudos cada vez mais consolidam também a importância para a saúde e o bem estar da milenar MEDITAÇÃO com suas várias técnicas. Há também investigações avançadas dos benefícios de quem cultiva uma espiritualidade seja filiando-se ou não a uma religião, cultivar um hobby.

Propomos a escrita como sugestão de conduta preventiva em saúde mental. Ter um diário, ou qualquer modo que privilegie a anotação de experiências e sentimentos. Ter com o organismo e com a alma a intimidade de perceber quando é preciso desacelerar ou criar novos significados para situações conflitantes. Desenvolver esta comunicação interna que a velocidade dos nossos dias acabam fazendo que emudeçam pode ser útil para administrar os desafios do cotidiano.

Pensar na psicologia como prevenção, é construir uma nova relação com o sintoma na ideia de que o mesmo representa a busca do organismo de criar alternativas que conduzam o mais rápido possível a um estado de equilíbrio. É o nosso corpo e nossa alma juntos trabalhando para manter a saúde, mas ao deixarmos que este estado disfuncional prossiga além da capacidade do corpo e da alma suportarem, acaba por causar danos ao "sistema como um todo" e aí as doenças físicas, os transtornos mentais acontecem. Sem falar quando nossas disfunções afetam as pessoas que nos rodeiam. Se considerarmos nós e o Planeta Terra como um único organismo, aí então...   Por isso, não deixar acumular é muito importante.

Ao falar da escrita como aliado na organização dos sentimentos e ideias, uso como referência a minha experiência pessoal, pois foi o que salvou a mim mesma em momentos muito difíceis de ações precipitadas e com isso fui aprendendo sobre mim e aprendo a me me observar com cada vez mais isenção. Aprendo. Faço isso até hoje quando sinto necessidade. Tenho sempre folhas em branco por perto, uso celular, computador. Anoto também o relato dos clientes e os estudo, ajudando nas minhas intervenções. Muitas vezes levei meus escritos para a minha terapia como ajuda para expor emoções que considerava complexas e foi produtivo.. 

Assim fica o apelo: Cuide-se. E se sentir que precisa de ajuda, procure.

Regina Bomfim

Momentos que toquei neste assunto. Explore mais...

PSICOLOGIA SAÚDE E PREVENÇÃO = NÃO DEIXAR ACUMULAR

ESTRESSE E ANSIEDADE COMO LIDAR: PREVENÇÃO EM PSICOLOGIA

CRIADOR E CRIATURA




terça-feira, 26 de dezembro de 2017

MELHORAR O NOSSO TEXTO: O CAMINHO QUE SE VIVE E ESCREVE AO CAMINHAR






Ter olhos abertos para o mundo não é fácil. É exercício diário e pesado de construir e desconstruir para visualizar a viver a vida que ser quer.


Regina Bomfim



segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

DEPRESSÃO NÃO É FRESCURA, É COISA SÉRIA




Estima-se que 15 a 20% da população adulta, em algum momento de suas vidas, apresentam sintomatologias depressivas, sendo as mulheres acometidas duas vezes mais, em relação aos homens. Até 2020, a depressão será a doença mais incapacitante do mundo, diz OMS (Organização Mundial da Saúde). Isso significa que quem sofre de depressão tem a sua rotina “virada do avesso”, deixa de produzir e tem a sua vida pessoal bastante prejudicada. Atualmente, mais de 120 milhões de pessoas sofrem com depressão no mundo, sendo que só no Brasil, são 17 milhões. Cerca de 850 mil pessoas morrem, por ano, em decorrência da doença. Esse Transtorno ainda enfrenta preconceito, apesar de afetar mais de 120 milhões de pessoas.

domingo, 24 de dezembro de 2017

É UM EXERCÍCIO OLHAR A VIDA COM LUCIDEZ MESMO "NO OLHO DO FURAÇÃO": O DESAFIO DE VENCER A NÓS MESMOS AO SOM DE DJAVAN




reflita e dance, porque faço o mesmo...

"Tudo na vida são desafios às resistências.

A' lei da entropia' degrada a energia que tende á consumpção, para manter o equilíbrio térmico de todas as coisas.

O envelhecimento e a morte são fenômenos inevitáveis no cosmo biológico e no universo.
Os batimentos cardíacos são desafios à resistência do músculo que os experimenta; os peristálticos são teste constante para as fibras que os sofrem; a circulação do sangue é quesito essencial para a irrigação das células; a respiração constitui fator básico sem o qual a vida perece.

Tudo isso e muito mais, na área dos automatismos fisiológicos, a interferir nos de natureza psicológica.

É natural que o mesmo suceda no campo moral do ser, que nunca retrocede e não deve estacionar sob pretexto algum. No progresso, a evolução é inevitável. A felicidade é o ponto final 

(...)

O crescimento de qualquer ideal é resultado de estágios inferiores vencidos, das etapas superadas, dos desafios enfrentados. 
Joanna de  Angelis

Resultado de imagem para O OLHO DO FURACÃO






sábado, 23 de dezembro de 2017

É MUITO FÁCIL OPINAR DA VIDA DOS OUTROS: IRRESISTÍVEL ILUSÃO






"As opiniões constituem o principal impedimento do exercício do pensamento vivo porque produzem supostas certezas sobre tudo aquilo que imaginamos ser e sobre tudo aquilo que imaginamos experimentar. Muitas vezes aquilo que julgamos ser uma experiência não passa de representações de experiências anteriores ou de idealizações daquilo que queremos voluntariamente experimentar. Toda expectativa se apresenta não como a busca de uma experiência, mas sim como busca de representações ou da repetição de experiências passadas." (Jadir Lessa)




sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

HUMANIDADE





Não posso e nem quero dar conta de tudo e nesta trilha da busca pelo essencial que sempre fique a verdade. Meus limites, minha ignorância, meus vacilos são parte da minha humanidade. Meu ego que quer competir e se exaltar, pede para calar, mas eu falo. É com verdade que quero estar frente a frente com o mundo e ao dizer eu errei, eu possa aprender e construir relações francas e semear a franqueza e a simplicidade e assim deixe fluir a minha humanidade.

Regina Bomfim

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

O EU É DINÂMICO: UM TOQUE DE ARTE




" O Eu está sempre a mover-se ou a tornar-se. É um zero e uma estaticidade e, ao mesmo tempo um infinito, a indicar que se move o tempo todo. O Eu é dinâmico."

D. T. Suzuki, E. Fromm e R. De Martino

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

ALEGRIAS E TRISTEZAS





Photo by Dmitry Ratushny on Unsplash


"As alegrias que fecundam outras são as que estão sustentadas por tristezas bem resolvidas."


Padre Fábio de Melo

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

TÁ PUXADO?!






Photo by Vicente Núñez on Unsplash

Seja afetuoso consigo mesmo. você está fazendo o seu melhor. Antes de terminar todos os dias, dê a si mesmo algum agrado simples.

Regina Bomfim

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

NATUREZA E POESIA: APENAS






Photo by Boris Smokrovic on Unsplash



Pequena flor
Cecília Meireles - Livro: Vaga Música

Como pequena flor que recebeu uma chuva enorme
e se esforça por sustentar o oscilante cristal das gotas
na seda frágil, e preservar o perfume que aí dorme

e vê passarem as leves borboletas livremente
e ouve cantarem os pássaros acordados sem angústia,
e o sol claro do dia as claras estátuas beijando sente,

e espera que se desprenda o excessivo tímido orvalho
pousado trêmulo, e sabe que talvez o vento
a libertasse, porém a desprenderia do galho,

e nesse temor e esperança, aguarda o mistério transida
- assim repleto de acasos e todo coberto de lágrimas
há um coração nas lânguidas tardes que envolvem a vida.


Se gostou, deixe seu comentário aqui no blog, compartilhe. 

Os posts acontecem sempre às segundas 8h. Gratidão por visitar o blog!

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

POSTS PROGRAMADOS NO PERÍODO DE FESTAS

Photo by freestocks.org on Unsplash


Olá queridos leitores, como têm sido esta maratona de festas? Tive a ideia de fazer uma mistura de posts novos e antigos que já estão programados. Eles vão acontecer diariamente a partir do dia 19/12 até 01/01 às 8h para quem acessar diretamente o blog ou se inscrever para receber o Feed.

Quem costuma acompanhar o blog pelas redes sociais os posts de compartilhamento acontecem mais tarde quando tenho alguma pausa.

Antes de tudo, quero agradecer a você leitor pela atenção ao meu blog. É bom saber que você está aí do outro lado, que você deu uma olhadinha, saiba que pra mim isso faz toda a diferença que mesmo nesta rápida olhada, você pode ter encontrado uma frase ou uma palavra que fez diferença em alguma reflexão sua e uma semente foi plantada em sua alma. Sabe, fico muito feliz se ao menos conseguir deixar uma semente.

Evidentemente, gostaria de uma maior participação sua, que o blog crescesse, mas sinto que ele cresce no ritmo que tem que crescer. O mais importante é que estou aqui procurando ser o mais verdadeira possível e, na minha opinião, isso é mais potente do que qualquer técnica para obter mais leitores como por exemplo publicar diariamente (que também é válido para quem investe nesta busca), tanto que não está ainda em meus planos, monetizar o blog e nem ter um domínio próprio. 

É um espaço profissional com os cuidados que isto implica, mas também um espaço de liberdade, de troca com as pessoas, de estar em sintonia com a verdade do meu ser e das coisas que meus olhos alcançam no mundo.

Com os melhores sentimentos
PSICOLOGIA EM FOCO
Regina Bomfim

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

SOBRE AS FESTAS DE FIM DE ANO






"(...)

Muita coisa a gente faz
seguindo o caminho que o mundo traçou,
seguindo a cartilha que alguém ensinou
seguindo a receita da vida normal.


Mas o que é vida afinal?

Será que é fazer o que o mestre mandou,
é comer o pão que o diabo amassou,
perdendo da vida o que tem de melhor?"


Carlos Colla e Gilson - autores da canção Verdade Chinesa


O fim de ano chegou e está aberta a temporada das festas. Os enfeites, o movimento nas ruas, as propagandas quase sempre com o cenário da família numerosa, feliz e com uma mesa farta. Este é o modelo de festas que costumamos ter em mente ou que nos ensinam a considerar "o perfeito" e algumas pessoas fazem grandes sacrifícios para se enquadrar. Todavia importa pensar em quem não pode cumprir à risca este modelo.

As festas de fim de ano são para algumas pessoas no mundo, catalizadoras de processos depressivos. A onda de comemorações que em geral motivam reuniões familiares e de amigos, costumam causar profunda angústia para pacientes com histórico de depressão, pessoas que atravessam perdas e cidadãos que não conseguem obedecer a todos os rituais de consumo ou que até conseguem seguir este consumismo, mas não conseguem calar suas angústias. As depressões constituem espectro amplo e multietiológico (múltiplas causas) de transtornos mentais comuns que envolvem aspectos sociais, individuais, biológicos que conspiram gerando agravos à saúde.

Ser feliz nestes períodos é como uma obrigação e se a pessoa observa que não está feliz como todas as outras pessoas, começa a pensar que algo está errado com ela. Muitas pessoas não entram no "espírito natalino ou do reveillon", não sentindo a mesma alegria que as outras pessoas. Esta falta de entrosamento com o que seria esperado seria um pouco o mesmo sentimento da pessoa que vai para casa sozinho numa sexta-feira à noite e pensa: estou indo para casa sozinho enquanto todo mundo está se divertindo.

Por isso que nestes períodos de festas de final de ano, pode ser ao mesmo tempo um período ansiosamente esperado por alguns e extremamente temidos por outros, depressivo, angustiante. Muitos esperam que tudo isso se acabe para logo retornarem à rotina normal, confrontado também nesta época do ano pela frustração das metas que não foram cumpridas. Tudo pode se referir sobre a ansiedade e medo do que vai acontecer ou o que não vai acontecer, pois este é o ponto central: a frustração de não acontecer nada, não receber amigos, presentes, não se perceber importante para ninguém, assim como também não ter mais por perto as pessoas amadas por morte ou término de relacionamento. Os sentimentos de fracasso podem surgir de todos os lados.

O período das festas é considerado um período pretensamente feliz, mas para muitas pessoas pode ser altamente estressante até pelo simples fato de sair da rotina e o estresse é o principal fator de risco para a ocorrência de doenças.

Ele produz dois hormônios: a adrenalina um estimulante que acelera o metabolismo, o ritmo cardiovascular e causa insônia; e o cortisol, que aumenta a resistência à insulina, diminui a imunidade e aumenta o risco de gastrite.

Nem sempre uma pessoa que tem depressão é aquela que vive prostrada num quarto escuro, pelo menos no início. Depressão, ansiedade e estresse podem ocorrer juntos por um acúmulo de sentimentos e experiências pois, o indivíduo não se permite observar seus sentimentos. 


Esta depressão, ansiedade e estresse de fim de ano pode ser canalizada para que o indivíduo comece a perceber o que está fazendo da sua vida, o que é essencial. Reiterar ou construir novas metas de curto, médio e longo prazo pode ser útil. Há os que nada planejam, deixam acontecer. Estas metas podem ser acrescidas de coisas simples como mais caminhadas na praia, sorrir mais, começar uma conversa com um estranho, ouvir o canto dos pássaros, respirar  profundamente prestando atenção neste ato...

 Mesmo que suas festas não tenham todos os itens das mesas fartas (o meu não tem), que as pessoas que amava não estão mais por perto e que tudo deu mais errado do que certo, que ninguém liga para você, há no meio disso tudo um grande presente que a cada dia você recebe, recebemos - que é a Vida, o fato de estar vivo, sendo a pessoa única, inigualável que é. Enquanto há vida, há sempre o jogo que você pode "ganhar de virada", aquele "pênalti" inesperado que vai te favorecer cedo ou tarde. Essa partida é sua!

 Que o trecho desta canção abra  portas de reflexões muito ricas e que o saldo seja de mais saúde e integridade em todos os momentos.



Veja abaixo outros textos relacionados



Feliz Ano Novo (o post é de 2013, mas vale a leitura) 



Regina Bomfim

Se gostou do texto, deixe seu comentário aqui no blog, compartilhe. Ao seguir o blog ou se inscrever no Feed, você tem acesso aos textos antes de serem compartilhados nas redes sociais. 
Lembre-se: posts sempre às segundas 8h. Gratidão por visitar o blog.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

SAÚDE MENTAL: POR ONDE ANDA?



Faz tempo que não uso texto  transcrito, mas a força das palavras se misturam com a força do sofrimento psíquico vivido pelo portador de transtornos mentais graves e daqueles que possuem o vício em álcool e em outras drogas cuja, existência se encontra devastada num grau que  move uma procura desesperada por ajuda para  começar uma nova história.

São transtornos mentais presentes em todas as classes sociais, mas a falta de recursos traz para a jornada destas pessoas muitas incertezas quanto à continuidade do tratamento.

O atendimento a estas pessoas com doenças em estado grave, é por si só um caminho que nunca é  linear, pois além de contar com os medicamentos necessários, há também a possibilidade de reações adversas assim como a adesão do paciente e familiares (quando os tem) ao tratamento. Aceitar que precisa e decidir procurar ajuda geralmente antecede a muitos combates internos, às vezes a um cansaço ou o que for, mas é um momento de poder individual que deve encontrar no profissional de saúde o suporte e o acolhimento necessário de modo contínuo.

O importante é perceber a complexidade de procedimentos e emoções que envolvem o cotidiano da equipe de saúde. Trabalhar num ambiente precário, fruto da má gestão de recursos públicos, acaba por colocar todos os envolvidos, equipe de saúde, pacientes e familiares em total indefinição, por isso  trazer este texto é necessário para ser mais uma voz a pedir mais atenção à saúde.


Peço que comentem aqui no blog, compartilhem. Seria um modo de fazer com que cada vez mais pessoas tomem conhecimento e também de ajudar o blog. Quem puder informar se houve alguma alteração nesta situação. Gratidão.

Regina Bomfim


Photo by Hailey Kean on Unsplash

Lucidez à mercê da crise 
Unidades de saúde mental do município reduziram refeições e estão sem remédios

Marcelo dos Santos, de 48 anos, está com medo de ter uma recaída. Depois de usar drogas por três décadas, conseguiu ficar um mês livre do vício. Mas ele não conseguiu essa vitória sozinho: há quatro meses se trata no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas (Caps AD) Miriam Makeba, em Bonsucesso. O problema é que a unidade - que faz parte da rede municipal de saúde - enfrenta problemas, como os outros 29 Caps da cidade: falta de remédios e número reduzido de profissionais. Além disso, a alimentação oferecida aos pacientes está cada vez mais escassa: há dias em só há pão e café sem açúcar para servir. agonizantes, os centros são mais um capítulo da crise na gestão do prefeito Marcelo Crivella.
- Eu era um usuário de drogas e morador de rua. Já saí da rua e fui morar com a minha irmã, que me aceitou porque eu estava em tratamento - contou Marcelo que teme voltar à vida das drogas - Tenho muito medo que o Caps feche. Aqui eu tive apoio e carinho. Minha ansiedade parou. Foi aliviando a vontade de me drogar. Venho todo dia...

 Ia transcrever o texto na íntegra, mas o correto mesmo é deixar o link para valorizar quem de fato criou o texto. Leia mais no link abaixo...

 ARTISTAS SE ENGAJAM NA CAUSA



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...