JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

DOENÇAS CONTEMPORÂNEAS: O EXERCÍCIO DE UMA VISÃO MAIS LÚCIDA

                                 


O conceito de saúde

Por Joanna de Ângelis



Lexicamente, "saúde é o estado do que é são, do que tem as funções orgânicas regulares". A Organização Mundial de Saúde elucida que a falta de doença não significa necessariamente um estado de saúde, antes, porém, esta resulta da harmonia de três fatores essenciais a saber: bem estar psicológico, equilíbrio orgânico e satisfação econômica, assim como contribuindo para uma situação saudável do indivíduo.


Num período de transição e mudança brusca da escala de valores convencionais, com a inevitável irrupção dos excessos geradores da anarquia, a saúde tende a ceder espaço a conflitos emocionais, desordens orgânicas e dificuldades econômicas, propiciando o surgimento de patologias complexas no homem. A sociedade enferma perturba-o, e este, desajustado, piora o estado geral do grupo.

O sentido de dignidade pessoal nesta situação é substituído pela astúcia e pelo prazer, proporcionando distonias emocionais que facultam a instalação de enfermidades orgânicas de variada procedência. Abstraindo destas últimas , aquelas que são originadas por germes e bacilos, vírus e traumatismos, multiplicam-se as de ordem psicológica que se avolumam nos dias atuais. O homem teima por ignorar-se. Assume atitudes contraditórias, vivendo comportamentos estranhos.

Prefere deixar que os acontecimentos tenham curso, às vezes desastroso, a conduzi-los de forma consciente. Os dias se sucedem, sem que ele se dê conta das suas responsabilidades ou frua dos benefícios de uma atitude lúcida perfeitamente compatível com as conquista contemporâneas.

Surpreendido, no entanto, pela doença e pela morte, desperta assustado sem haver vivido, estranhando-se a si mesmo e descobrindo tardiamente que não se conhecia. Foi um estranho durante toda a existência, inclusive a ele próprio. 

A saúde, entretanto, fá-lo participativo, membro atuante do grupo social, desperto e responsável, na luta com que se enriquece de beleza e alegria, assumindo posições de vigor e segurança íntima, que lhe constituem prêmio ao esforço desenvolvido. A falta de saúde, que se generaliza, conduz a mente lúcida, a um diagnóstico pessimista, o que não significa ser desesperador.

Em tal situação, por falta de outras alternativas, o homem enfrenta a dificuldade por ser pensante e altera o quadro, impulsionado ao avanço, a aceitar os desafios. Deixa de fugir da sua realidade, descobre-se e trabalha para alcançar etapas mais lúcidas no seu desenvolvimento emocional, pessoal. 

Quem se resolve porém, pela submissão autodestrutiva, não merece o envolvimento respeitoso de que todos são credores diante dos combatentes, porquanto deixando de investir esforços abandona a sua dignidade de ser humano e prefere o esfacelamento das suas possibilidades como sendo o seu agradável estado de saúde, certamente patológico.

A saúde produz para o bem e para o progresso da sociedade, sem compaixão pelos mecanismos de evasão e pieguismos contemporâneos vigentes. Realizadora , propele a vida para suas cumeadas e vitórias sem as a parada nas baixadas desanimadoras.

Comentários