Pular para o conteúdo principal

Postagens

UM BEIJO NA ALMA

Essa coisa de se forçar que todo mundo deve se amar o tempo todo é irreal. Ninguém se ama o tempo todo. E tudo bem. 

É mais em direção à paz, na minha visão, ser aquilo que "dá pra ser"... Sem brigas, sem textão, nem indiretas...

A gente pode "falar na cara" e ter cuidado. E o cuidado vem talvez quando não deixamos o incômodo chegar ao insuportável "pra não haver "discussão, como se falar sobre o que incomoda fosse sempre brigar. Não precisa ser. Não precisa crescer e explodir. Saber o quando dizer e quando calar é uma arte. Calar também é um elemento das relações. Isto não contradiz a ideia proposta, mas resguardar o seu mundo interior quando achar isso conveniente é também zelar pela saúde das relações.

Por menos "disse-me-disse por trás ou suposições" e mais quero te dizer "na lata" seja, na web (creio que no privado é melhor...rs), no zap, na carta (quem ainda?), na cama, "na rua, na chuva" porque hoje temos muitos canais e …
Postagens recentes

APRENDER: UMA VISÃO QUE ME AGRADA

POEMA À SOMBRA

Imagem de Elias Sch
POEMA À SOMBRA
Há na minha alma sentimentos que assombram Eles vêm como um mal estar que dura segundos, mas são segundos apavorantes E o meu reflexo é tentar fugir disso.  Se sei rezar, peço para nunca mais sentir este terror Mas ele vem com um intruso, meio sem rosto e sem cerimônia, trazendo o desconforto e a dor de uma coisa que ainda não sei e nem quero ver.
Mas um dia, engoli o choro e me veio uma coragem de quem sente um impulso de nada mais ter a perder.  Mesmo tremendo pergunto: - Quem é você?! - Quando você vier, se vier, vou te esperar!
Engoli seco, as pernas bambearam, mas quando vi, louca, já tinha comprado a passagem pra essa "viagem" Morro de medo, me perdoo se desistir na hora, mas foi um passo que dei...
Quem disse que a ousadia é um grande e revolucionário passo? Não, ousadia podem ser pequenos passos (verdadeiros, quando silenciosos), onde "o que eu ganho e o que eu perco ninguém precisa saber" da canção de Lulu Santos (os &qu…

SER CRITERIOSO

"Já tive muitos critérios, hoje tenho vários delírios". (Itamar Assumpção).

Vivemos num mundo de exigências insanas e buscamos nos adaptar a isso como algo imposto. A importância de se questionar, desenvolver o autoconhecimento é vital em tempos onde as ocorrências do mundo nos convidam a esta máxima bíblica que se mostra útil pela sua atualidade: "separar o joio do trigo". Sair fora da caixa pode soar delirante para aqueles que nos contemplam ao longe, na superfície.

Regina Bomfim

ELOGIO AO ERRO E À IGNORÂNCIA

O "ainda não sei fazer" é tão lindo e cheio de potência quanto "eu faço e domino". Digo isso também para mim mesma por ainda aprender a apreciar esta "viagem", esse caminho que ainda se desenha no ato de desenvolver uma competência.

Há uma força na ignorância quando ela, "trôpega" se movimenta entre a tentativa e o erro. Isso muitas vezes não dá self para por nas redes.

Regina Bomfim

A "TÃO FALADA" AUTOESTIMA

A auto estima e a auto crítica excessiva são extremos de uma visão de si mesmo que podem levar à distorções de avaliação dos recursos do indivíduo ao planejar e executar as ações necessárias para alcançar um objetivo. Uma visão realista de si mesmo na observação  da seus pontos fortes e fracos pode ser mais produtivo e próximo da saúde mental que jamais deve ser entendido como um processo estático. Há um movimento guiado pelo impacto de cada experiência em nossa vida que acabam por ampliar nossa visão de mundo e de nós mesmos. Saúde é construção. Mente e corpo juntos.


Regina Bomfim

HOMENS LIDAM COM O ESTIGMA DE LECIONAR NO ENSINO INFANTIL

Professores superam preconceito dos pais contra profissionais do sexo masculino

Eduardo Vanini
Fonte: O Globo

É hora do almoço no Espaço de Desenvolvimento Infantil, uma unidade da rede municipal de ensino que fica em Costa Barros Zona Norte. De uma sala colorida, sai uma fila de crianças que cantam, em direção ao refeitório: "Meu leitinho vou beber, pra ficar fortinho e crescer". A cena seria muito comum se não fosse por um personagem. Quem puxa o animado cordão de baixinhos é o professor Luan Felipe Xavier, de 21 anos. Um dos raros exemplos de homens dando aula no ensino infantil, ele também é uma prova viva de que educadores de sexo masculino também podem fazer o maior sucesso entre as crianças da escola. Luan Felipe, por exemplo, é querido por todos.


No país entre os 443.405 profissionais contabilizados neste segmento do ensino  pelo Censo da Educação Básica de 2012, apenas 13.516, ou 3%, eram homens. enquanto algum deles são bem aceitos em suas escolas, outros esbarram no p…