POSTS PROGRAMADOS NO PERÍODO DE FESTAS

Photo by freestocks.org on Unsplash

Olá queridos leitores, como têm sido esta maratona de festas? Tive a ideia de fazer uma mistura de posts novos e antigos que já estão programados. Eles vão acontecer diariamente a partir do dia 19/12 até 01/01 às 8h para quem acessar diretamente o blog ou se inscrever para receber o Feed.

Quem costuma acompanhar o blog pelas redes sociais os posts de compartilhamento acontecem mais tarde quando tenho alguma pausa.

Antes de tudo, quero agradecer a você leitor pela atenção ao meu blog. É bom saber que você está aí do outro lado, que você deu uma olhadinha, saiba que pra mim isso faz toda a diferença que mesmo nesta rápida olhada, você pode ter encontrado uma frase ou uma palavra que fez diferença em alguma reflexão sua e uma semente foi plantada em sua alma. Sabe, fico muito feliz se ao menos conseguir deixar uma semente.

Evidentemente, gostaria de uma maior participação sua, que o blog crescesse, mas sinto que ele cresce no ritmo que tem que crescer. O m…

Do plural ao singular


 

Entrevista José Antônio Ramalho
De olho no crescimento das redes sociais, as empresas passaram a bolar estratégias cada vez mais criativas para conquistar os usuários do Twitter e Facebook. Essas ferramentas estão mudando o discurso de marketing e o relacionamento entre mercado e público consumidor, analisa o escritor e consultor José Antônio Ramalho, autor de Mídias sociais na prática", publicado pela Campus/Elsevier.

O GLOBO: O que mudou no comportamento das empresas nas redes sociais?
JOSÉ A. RAMALHO: No início, elas se cadastraram como mais um membro das redes sociais. Mas depois resolveram mudar a abordagem. Deixaram de se comunicar como "nós" para estabelecer uma relação com o consumidor através da mesma pessoa. Algumas chegaram a criar personagens para se relacionar com os usuários.

* Pode citar um exemplo?
RAMALHO: A Audi foi uma das primeiras a criar um personagem para falar em nome dela. Quem deu vida a esse avatar foi um jornalista. Embora pessoas soubessem que era uma brincadeira, a relação ficou mais próxima, sem que fosse considerado invasão de prividacidade.

*Um forte investimento em criatividade...
RAMALHO: Sem dúvida. As empresas tiveram que reinventar o marketing. A comunicação deixou de se plural e passou a ser singular. Precisou ser criado o cargo de analista, para estudar o comportamento dos consumidores através das redes. A relação ficou mais próxima, e o público passou a se sentir mais envolvido nas campanhas.

*E a criatividade do público foi estimulada?
RAMALHO: Sim, é claro. Podemos citar a campanha da Nextel que foi feita para as mídias sociais, que pedia aos usuários para que eles mostrassem seu talento ao enviar vídeos cantando músicas do Paralamas do Sucesso. Ou outra que os internautas eram convidados a criarem um roteiro de filme. Essas ações acabam criando uma relação com a empresa.
Fonte: Jornal o Globo/ -  Boa Chance (CLick Léa Cristina e  Ystatille Freitas 28/08)