UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



SER DIFERENTE NÃO É NORMAL NO MERCADO DE TRABALHO

Resultado de imagem para pessoas com deficiencia e mercado de trabalho

Gestão inclusiva de deficientes ainda é um desafio para o país. contratações são feitas apenas para cumprir a lei de Cotas

Fonte: Boa Chance

A qualidade no processo de inclusão de pessoas com deficiência é baixa no Brasil porque muitas empresas consideram essa contratação como um custo e não como um investimento. foi o que mostrou um pesquisa em 2014 da consultoria i.Social, que revelou: 82% dos 2.949 recrutadores de RH entrevistados contratam pessoas com necessidades especiais apenas para cumprir a Lei de Cotas, que obriga companhias com 100 ou mais funcionários a preencher de 2% a 5% dos cargos com deficientes físicos, sensoriais e intelectuais.
O levantamento faz uma comparação entre as percepções dos especialistas da área de RH e dos profissionais com deficiência em atividade no Brasil sobre o mercado de trabalho. Algumas opiniões conflitantes foram observadas, uma delas diz respeito às barreiras inerentes ao processo de inclusão.



Resultado de imagem para pessoas com deficiencia e mercado de trabalho

Para os recrutadores, os principais obstáculos são a falta de acessibilidade, o foco exclusivo no cumprimento da cota e a ausência de preparo dos gestores.Para os deficientes, chamam a atenção a qualidade ruim dos cargos oferecidos, baixo número de oportunidades e o foco exclusivo no cumprimento da cota.

PRECONCEITO MENOR
Muitos profissionais de RH acreditam que preconceito está presente no ambiente de trabalho, seja pelos colegas, gestores ou clientes. A pesquisa revelou, no entanto que a percepção de preconceito por parte das pessoas com deficiência é bem menor - mais de 50% afirmaram nunca terem sofrido constrangimento. O sócio diretor da i.Social, Jacques Haber, explica que os entrevistados responderam as questões de forma anônima, o que pode ter contribuído para deixá-los mais à vontade para expressar suas opiniões.

O levantamento demonstra também que a oferta de boas oportunidades de trabalho para pessoas com necessidades especiais ainda é um desafio entre as empresas brasileiras. A maioria das vagas destinadas para deficientes é pouco atrativa e sem qualificação. Para comprovar esse cenário Jacques usa como exemplo o trabalho na i.Social, que tem 60 mil currículos destes profissionais cadastrados e divulga vagas de empresas:
- Praticamente todas as vagas que recebemos são para auxiliar administrativo ou para desempenho de atividades rotineiras. É raro encontrar empresas que estejam procurando deficientes para cargos mais estratégicos. A inclusão é nivelada por baixo.

CAMINHO LONGO
Mais de 45,6 milhões de brasileiro declaram ter alguma deficiência, segundo dados mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, apenas cerca de 306 mil trabalhadores com algum tipo de deficiência estão em atividade no Brasil, de acordo com o levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego. a desprorporção entre os dois números aponta um longo caminho a ser percorrido, afirma a professora da IAG Escolas de Negócios da PUC- Rio, Ana Heloísa da Costa Lemos.

Em sua avaliação, o processo de inclusão de qualquer minoria é sempre complexo e lento, mas quanto a maior presença de deficientes nas empresas - e nesse sentido, a Lei de Cotas foi um avanço -, mais natural será o convívio entre profissionais com ou sem deficiência. Para ela, o preconceito será reduzido com o tempo,  assim como as barreiras de inclusão no mercado de trabalho.
- Vivemos hoje em uma sociedade muito mais inclusiva do que há 20 ou 30 anos. Acredito que os obstáculos enfrentados pelos deficientes irão diminuir, mas esse processo pode demorar - diz a professora.

Crescer profissionalmente é um desafio para profissionais com deficiência no Brasil> de um lado, muitos desempenham funções aquém de suas qualificações. Por outro, gestores desconfiam de suas capacidades. A professora conhece histórias de profissionais que foram contratados somente para cumprir a cota e são subutilizados.
- Dessa forma, ascender a cargos de chefia não é trivial para deficientes no mercado de trabalho.

Especialistas apostam que estimular a diversidade em um ambiente de trabalho pode trazer diversas vantagens para a empresa. Melhorias no clima organizacional, espírito de equipe e inserção de valores como humildade, solidariedade e dedicação entre profissionais são algumas delas, enumeradas pela presidente do Instituto JNG - Ações de Inclusão Social, Flávia Poppe. Um dos caminhos para primorar o processo de inclusão dessas pessoas no mercado de trabalho, aponta ela, é a intensificação do treinamento de gestores.
- As empresas só tem a ganhar com a decisão de investir em projetos de inclusão de deficientes. A imagem destas companhias torna-se muito positiva e humanizada.



Comentários