ADMINISTRAR O TEMPO NO AMBIENTE DE TRABALHO COM MUITAS TAREFAS E EQUIPES ENXUTAS: DESAFIOS ATUAIS






Instituições de ensino têm incluído nos cursos de MBA e de extensão disciplinas que ajudam a organizar agendas


Fonte: Boa Chance


Não vai dar tempo! Quem nunca teve a sensação de que 24 horas são insuficientes para dar conta de demandas profissionais e pessoais? O problema é recorrente no ambiente corporativo e tem levado as pessoas de volta ás salas de aula. Diversas instituições hoje já incluem no currículo de MBAs e cursos de extensão disciplinas que ajudam a organizar a agenda, por meio de ferramentas e metodologias para todos os gostos e perfis. Afinal, tempo é dinheiro - e qualidade de vida também.

A maioria das pessoas sabe que na teoria, o remédio para a falta de tempo é organização e atenção às prioridades. Mas saber aplicar isso no cotidiano não é fácil, explica Sérgio Guimarães, diretor da Academia do Tempo, uma instituição que oferece cursos específicos sobre o tema. Há alguns anos, ele resolveu dedicar-se integralmente ao assunto em função da grande procura de profissionais insatisfeitos, ansiosos e angustiados com a falta de tempo e a autocobrança em relação ao cumprimento de passos.


FOCO DE RESULTADOS
Guimarães afirma que não existe um método específico que ajude a pessoa a gerenciar melhor o tempo. Tudo depende do perfil do profissional. Existem técnicas, por exemplo, que não são indicadas para quem não tem muita disciplina. Há também metodologias (focadas em resultados) aconselhadas somente para aqueles que ocupam cargo de média e alta gerência.
- É preciso primeiro observar o comportamento da pessoa para depois entender como ela pode se adaptar à rotina. O certo é que todos precisam de um mínimo de organização para conseguir gerenciar o tempo de forma eficiente.

Outro ponto importante é desconstruir a efetividade do profissional multitarefa. Há uma diferença entre fazer muitas tarefas ao mesmo tempo e fazer várias tarefas em menos tempo. É preciso focar.

A especialista em Gestão do Conhecimento e diretora da Rede Índigo, Camila Pires, concorda com Sérgio e acrescenta: em situações de crise, o desgaste dos profissionais aumenta em relação ao tempo. Com equipes enxutas e a tecnologia permitindo uma comunicação cada vez mais instantânea, é raro as pessoas estarem focadas em 100% em uma tarefa. Segundo ela, o cérebro humano não foi feito para multiprocessar.
- Quando o profissional abre muitas frentes ao mesmo tempo, a produtividade cai e aumentam a ansiedade e propensão a falhas. Existem técnicas de mindfulness que ajudam as pessoas a manter a atenção focada, como respiração e pequenas pausas entre atividades.




DISCIPLINA OBRIGATÓRIA
O aasunto é tão comum entre os executivos que o Instituto de Pós-Graudação e Graduação (Ipog) incluiu na grade curricular de todos os seus MBAs uma disciplina obrigatória: Gestão do Tempo e Ferramentas de Produtividade. Para Edson Teixeira, professos e coordenador do MBA Executivo em Liderança e Gestão /empresarial do Instituto, à medida que os alunos e profissionais crescem na carreira, atender ao volume de demanda torna-se cada vez mais desafiador. No Ibmec, o tema também é debatido  nas aulas de MBA de Gestão de Pessoas.
- Os executivos reclamam que não conseguem fazer algo produtivo no trabalho, pois a maior parte do tempo é usado para 'apagar incêndios', resolver problemas. Se a maioria dos profissionais tem essa dificuldade, isso impacta diretamente o resultado das empresas - comenta Alba Duarte, professora do Ibmec/ RJ.

Observar o que não se deve fazer em vez de focar naquilo que é mais urgente ou importante é uma das dicas de Roberta Rodrigues, que lançou recentemente o e-book "10 formas de controlar o tempo para o tempo não te controlar". Tarefas inúteis, mas que ocupam a cabeça, são as que mais disperdiçam tempo sem levar a resultados
- Apertar o delete é importante. Com a lista do que não se deve fazer, é possível mapear o que puxa a pessoa para baixo e drena a sua energia.


Comentários