UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



A máscara da alegria

Por Regina Bomfim

Transformar, resistir é um processo que exige "olhar de frente". Transformar, resistir à dor significa assumir que ela existe ao invés de dizer que ela não está presente. Assumir que a dor existe é meio caminho para superá-la.

Quando dizemos que a dor não está ali, optamos pela fuga - a fuga é uma transformação, uma capacidade de resistência "imaginária" que tem curta duração por não sobreviver ao teste de realidade das situações adversas diferentes ou semelhantes que aparecem. O engraçado é que a vida tem a capacidade de nos colocar em situações que mesmo tendo "cenários diferentes" se parecem entre si. É como o caso das mulheres que se dizem com "dedo podre" pra arranjar namorado, pois sempre aparecem uns "caras" que só estão por exemplo, interessados em sexo ou só o tipo "cafageste" que só quer se aproveitar do dinheiro. Quem nunca ouviu ou viveu uma situação onde a impressão que se tem é de andar em círculos?

Sair do sofrimento é uma habilidade a ser aprendida. E não é nada fácil. À medida que o indivíduo entender como "ele funciona", se sentirá capaz de abreviar cada vez mais sua permanência nesse lugar tenebroso, não porque é um herói, mas porque ao enfrentar e descobrir o seu ritmo de assimilação e enfrentamento da situação ganha uma resistência cada vez  maior baseada não na fuga ou na "obrigação de ser perfeito", mas na capacidade constante de aprender sobre si mesmo usando e aprimorando seus recursos.

Assumir as limitações é aceitar-se humano, percebendo que só tem valor a alegria que é legítima, porque foi "lapidada" pela inteligência do indivíduo. A alegria artificial é filha do autoengano pois se apoia na fuga em suas mais diversas formas - do grau ameno (mentiras, racionalizações etc) ao grau mais complexo (álcool, drogas ilícitas, uso abusivo de psicofármacos...). A presença da psicologia se faz no momento em que o indivíduo percebe-se no momento, fragilizado para levar adiante esse processo sozinho.

Transformar, resistir à dor é um desafio que essencialmente exige de nós humildade, uma palavra tão carregada de valores religiosos, mas que apenas representa a capacidade de reconhecermos os nossos limites para usarmos adequadamente nossas forças e enfrentarmos as diferentes situações que a vida nos convida a superar.

Comentários