JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

Psicologia - uma visão pessoal onde me incluo como aprendiz

Por Regina Bomfim

As coisas só fazem sentido quando o sentido passa a fazer sentido para mim, do contrário serão conceitos vazios em relação ao que percebo do mundo. 

É neste momento que a relação psicólogo /cliente se difere da conversa-desabafo que costumamos ter com nossos amigos e dos conselhos que surgem desta troca que é tão tão rica e jamais deve ser ignorada.

O psicólogo dentro da sua técnica nas diferentes abordagens, vai procurar investigar como foram construídos estes sentidos que o indivíduo carrega independente desta busca ser no passado ou no presente, o que é diferente de dizer:  - "Você deve fazer isso ou aquilo", mas aproveitando o que o outro traz para ir empreendendo junto essa "viagem' de muitas paisagens entre flores e pedregulhos...

Pouco a pouco o sentido começa a fazer sentido como propriedade do indivíduo e  com posse de si mesmo, pode seguir se permitindo, mudando de idéia, rindo, chorando, vivendo as experiências. Nem "Super- Herói", nem "pobre coitado" mas apenas sendo gente, porque, como diz Caetano, "gente é pra brilhar e não pra morrer de fome".

Comentários