JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

Entrevista com Mônica alvarenga






'O principal exercício a fazer é o da escuta'

 * Inovar a partir de um profundo mergulho no presente é o que sugere a Teria U, concebida por Otto Scharmer, do Massachussets Institute of Tecnology (MIT). Adepta da proposição, a consultora organizacional Mônica Alvarenga ressalta que escutar o outro é o passo inicial para se romper com estruturas antigas: "o líder será tão bem-sucedido quanto sua capacidade de abrir mão do próprio conhecimento", diz.

O GLOBO: O que a Teoria U estabelece?
MÔNICA ALVARENGA: A Teoria U é uma proposta de ação voltada para inovação, concebida por Otto Scharmer, professor do MIT, para quem o mergulho presente facilita a abertura para o novo. Após anos de observação, ele sistematizoou o comportamento comum em lideranças bem-sucedidas na metodologia chamada de presencing palavra que cunhou juntando outras duas: presença e sentimento. O presencing facilita a transformação, que costuma acontecer durante momento de crise.

* Mas como esse mergulho facilita o contato com algo que ainda não foi pensado?
MÕNICA: A letra U simboliza o movimento proposto que se inicia quando percebemos e ultrapassamos nossa forma mais comum de agir, com base em aprendizados passados, e continua quando conseguimos ver e sentir a partir de perspectivas diferentes. Aí em estado de atenção profunda, surgem novas idéias e possibilidades de realizações transformadoras. O mergulho no presente exige abertura e, por isso, o professor diz que o principal exercício a fazer é o da escuta. Escutamos o outro, de fato, quando silenciamos a nós mesmos.

* Como se fosse preciso ir ao fundo do poço e voltar?
MÕNICA: Sim. quase isso! Precisamos da crise para ter coragem de deixar para trás o que já não nos serve mais. É a ruptura que nos permite acessar o novo.

* Pode nos dar resultados já obtidos a partir da teoria?
MÔNICA: Numa das empresas em que apliquei a Teoria U, começamos promovendo a qualidade da escuta. Com dinâmicas reflexões por seis meses, integramos departamentos e equipes, aumentando o diálogo e a percepção de que formam um todo. Idéias surgiram, mas realizá-las exige ousadia e confiança em quem está ao lado.

* Por isso, a escuta é um exercício tão importante?
MÔNICA: Sim, o líder atual será tão bem-sucedido quanto sua capacidade de abrir mão do próprio conhecimento. É essa qualidade que permite atuar a partir do futuro. ele só emerge quando ousamos agir a partir do desconhecido.
Fonte: Jornal - O GLOBO -Caderno Boa Chance 25/03