UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



A paz: que tipo de paz temos buscado?


Acho essa canção uma das mais inspiradas na recente produção musical brasileira (se não for a mais), pois ela traz reflexões sobre a a vida atual. O vídeo e a letra sugerem questões sociais bem presentes no nosso cotidiano, mas penso que a proposta da letra também se encaixa na paz que temos buscado dentro de nós mesmos para satisfazer ao mundo e negando quem de fato somos. Há um preço a pagar nessa "corrupção" que nos impomos que acaba por repercutir no mundo. O mundo acaba sendo aquilo que fazemos dele. Em tudo que vemos e nos escandalizamos tem um pouco de nós. Daí criticar o que há no mundo é fácil, mas procurarmos entender a nossa contribuição para o que ocorre, é um grande exercício que certamente passa pelo autoconhecimento.






Minha Alma ( a Paz que Eu Não Quero)


O Rappa
A minha alma tá armada e apontada
Para cara do sossego!
(Sêgo! Sêgo! Sêgo! Sêgo!)
Pois paz sem voz, paz sem voz
Não é paz, é medo!
(Medo! Medo! Medo! Medo!)
As vezes eu falo com a vida,
As vezes é ela quem diz:
"Qual a paz que eu não quero conservar,
Pra tentar ser feliz?"
As grades do condomínio
São prá trazer proteção
Mas também trazem a dúvida
Se é você que tá nessa prisão
Me abrace e me dê um beijo,
Faça um filho comigo!
Mas não me deixe sentar na poltrona
No dia de domingo, domingo!
Procurando novas drogas de aluguel
Neste vídeo coagido...
É pela paz que eu não quero seguir admitindo
É pela paz que eu não quero seguir
É pela paz que eu não quero seguir
É pela paz que eu não quero seguir admitindo

Fonte: http://letras.terra.com.br/o-rappa/28945/

Comentários