JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

PAZ E JUSTIÇA




 
O compromisso da psicologia, independente da abordagem utilizada, sempre será essencialmente a libertação do ser humano no seu mundo interior, mas também o mundo que ele circula, por isso o olhar do psicólogo deve ir além dos separatismos exigidos por partidos e outros pensamentos que "naturalizam" os fenômenos do mundo. Vivemos num mundo que coloca sobre nós demandas, conceitos que devem passar pelo crivo de nossa razão. 

O lugar do questionamento do mundo cabe a todos os saberes, mas também à psicologia onde quer que ela esteja inserida. Pois ao auxiliarmos um indivíduo no seu auto crescimento, também de algum modo, o devolvemos ao mundo mais lúcido em suas ações em toda parte que caminhe. Sempre quis mencionar Dom Helder Camara aqui no blog por acreditar que ele representou isso que acima mencionamo. Minha admiração a Dom Helder Camara!
Regina Bomfim



"Não há paz sem justiça e se não há justiça em escala mundial, não haverá paz em escala mundial." (Dom Helder Camara)

Comentários