JANEIRO BRANCO: MÊS DA SAÚDE MENTAL, SAÚDE MENTAL SEMPRE

Recebi este GIF via Whatsapp, espero que funcione na sua mídia
Falar de saúde mental é compreender que esta é, sem medo de ser audaciosa em minha posição, o território, o recurso natural, a tecnologia mais valiosa da existência que cabe ao ser humano explorar. Como ainda somos estrangeiros dentro de nós mesmos, apesar dos  importantes avanços que somos capazes de criar. 

As perspectivas de crescimento dos transtornos mentais e seus inegáveis danos à saúde e à produtividade por cada vez mais incapacitarem ao trabalho e ao desfrutar da vida, torna-se cada vez mais algo que não mais pode ser ignorado, daí a iniciativa de transformar o mês de Janeiro no mês da Saúde Mental -  JANEIRO BRANCO.

Em muitas ocasiões o PSICOLOGIA EM FOCO falou sobre o quanto se tornou insustentável manter a separação corpo e alma - O penso, logo existo de Descartes, somado a todos os pensadores que forjaram a estrutura e o funcionamento do Ocidente, tem se mostrado ineficaz ao longo dos anos para dar conta da comp…

O CARMA E COM A GENTE: APRENDENDO OU RELEMBRANDO





A palavra Carma que nas várias religiões orientais se refere à Lei de Causa e Efeito - Toda ação possui uma reação igual e em sentido inverso - foi absorvida pelo Senso Comum de modo bem interessante. Nosso intuito é trazer uma visão diferente da que é vista no cotidiano. 

CARMA É COM VOCÊ E NÃO COM O OUTRO
POR WANDERLEY OLIVEIRA


Os sofrimentos da vida são maiores quando você se culpa e não te oferece um tratamento de bondade, porque nasce dai um sentimento corrosivo de desvalor pessoal. E, quem não está bem consigo, quer mudanças para fora, quer mudar a todos. Todos são problemas, menos você. É assim que acontece com quem se deprime na baixa autoestima.



Nesse clima você vai agir com a conduta ingrata, infeliz e impossível de querer mudar os outros ou responsabilizá-los pelo que te acontece.

Ninguém muda ninguém. Isso é uma ilusão profunda da mente humana. Isso é tão grave que muitas pessoas chamam de carma a persistente tarefa de transformar quem diz que ama. E quem conseguiu isso, se a própria pessoa não deseja mudar?

Quando você aprende a autoaceitação e o autoperdão, você se acolhe no ritmo da compaixão. Essa energia muda toda a forma de ver a vida, as pessoas e os problemas.

Nessa condição, termina o carma nessa ótica do sofrimento imposto, porque você aprende o que tinha que ser resolvido dentro de você em relação às dores da convivência com filhos, esposos, esposas, colegas, vizinhos, etc, e surge uma nova forma de olhar e agir para com tudo que acontece à sua volta.

Você tem alguma relação que está acabando com você? Pense bem nisso e analise se não está querendo coisas impossíveis em nome do amor. Com relação ao outro você pode muito pouco. Com relação a você mesmo, pode tudo.

Se você é desses que diz “essa relação está acabando comigo”, certamente está carregando nas costas o que não precisa e nem vai te fazer melhor. É bem provável que, nesse caso, você esteja acometido dessa doença de achar que pode mudar o outro e, o pior, usando as piores estratégias de relacionamento para isso.

Carma não é com o outro, mas com aquilo que você precisa resolver dentro de você na relação com o outro.

Comentários