COMO?

Como você está se sentindo? Sabe que esta pode ser uma senha de acesso para o seu mundo interno? Decidir desenvolver esta atenção no seu cotidiano pode ajudar a se conhecer melhor. Muitas vezes sabemos o PORQUE de algo que nos ocorre, mas isso em muito pouco ou quase nada contribui para a mudança. Já percebeu que as coisas que fazem mudar foram aquelas que tomaram o seu corpo inteiro? É assim com você?

Sabia que para ter um blog considerado relevante, leia-se, bem posicionado nos mecanismos de pesquisa até a quantidade de palavras conta? É preciso um post com mais de 100 palavras para ser visto. Eu escrevo o que sinto que devo escrever. Pode ser além ou aquém...

Existe um conjunto de técnicas de impulsionamento denominadas SEO que são procedimentos para melhorar o ranqueamento do seu blog/site. Se o meu blog vir a ser um dia bem posicionado não será tanto por estes métodos que são até bastante  instrutivos. costumo fazer algumas pesquisas, mas não levo muito à sério. 

Na verdade, meu blo…

RAIVA: "MINHA VISTA ESCURECEU! QUANDO ME ESPALHO NINGUÉM ME JUNTA"!


Estando escondida ou presente em atos violentos, a raiva é uma das emoções mais presentes na vida atual. Ela incomoda e gera culpa quando aparece. Difícil gostar de alguém que sente raiva.


É fato que a raiva pode tomar alguém de modo tão intenso, ficando quase impossível estar perto sem se sentir afetado. Várias reações surgem como sentir raiva também, constrangimento, medo ou apenas um incômodo. De modo geral, poucos ficam indiferentes à raiva.
Quando esta energia furiosa passa, fica a vergonha, as consequências, o mal estar - relacionamentos que se acabam ou perdem a beleza do começo, objetos quebrados, acidentes e uma grande sensação de arrependimento.
Suprimir a raiva - Pelas consequências descritas acima, muitos tentam esconder a raiva com sorrisos complacentes, praticando esportes, jogando ou amassando objetos, "chutando o gato" ou mesmo tornando-se pessoas irônicas, ríspidas ou fechadas.
Conter a raiva é de certo modo torná-la cada vez mais poderosa e com isso, bastará apenas um motivo, até mesmo o mais tolo para descarregá-la totalmente. E aquela pessoa tão controlada será vista por seus familiares e amigos de modo totalmente modificado, transtornada, fazendo coisas inesperadas, inacreditáveis. Ninguém conseguirá compreender como algo tão insignificante gerou uma reação tão intensa.

Mesmo assim, a raiva é algo tão natural que melhor que tentar escondê-la é simplesmente deixar que ela flua livremente. Conter a raiva não deve fazer parte do nosso esforço. Deixar que ela chegue e vá embora naturalmente. Suas raízes em geral estão no desejo muito forte de tudo controlar
Perceber-se impotente para controlar uma pessoa, uma situação ou a nós mesmos é o que em geral produz raiva. E não poderia ser diferente. O ato de controlar sempre traz em si uma espécie de tensão, o que explica porque é tão difícil superar um vício, emagrecer ou mesmo se relacionar quando o que move é o sentimento do controle.
Uma sugestão, quando sentir raiva, pergunte-se: "o que estou tentando controlar?" Aceitar que dominar uma situação ou quem quer que seja não é possível, mesmo com "aparentes êxitos", é desgastante pois exige criar sempre "estratégias" para sustentar o "domínio", o que um dia acaba falhando.Tente se adaptar, relaxe e encontre outras forma de resolver o que precisa.

Seguem algumas dicas (ou crie as suas):
  • Não negar a raiva. Ela existe, aceite-a;
  • Em geral, a raiva é gerada por coisas sem importância. Avalie se vale a pena estragar o dia por algo fora do lugar ou um mal entendido;
  • Uma atividade física ou outra coisa positiva pode ajudar a canalizar a raiva. Nada de "chutar o gato", plantas, descontar nas pessoas, objetos. Atividades como cozinhar para você ou outras pessoas podem ficar "impregnadas" desta energia;
  • E para finalizar, tente não culpar as pessoas pelo que está sentindo. A raiva começou e terminará na pessoa que a sente. O mundo externo é apenas uma desculpa.
Enfim, não tema a raiva, não a esconda. Aceite-a!
​Regina Bomfim​
​​


















Comentários