11 de set de 2017

PSICOFOBIA: O PESO DAS PALAVRAS PODE MACHUCAR

Photo by Ian Espinosa on Unsplash

PSICOFOBIA - O QUE É? 
A psicofobia é o preconceito contra pessoas que sofrem de transtornos mentais e está mais presente no dia a dia do que imaginamos. Aparece quando alguém diz que está fazendo terapia e alguém pergunta a razão num tom de pena ou então ironiza, rejeita. Como a palavra preconceito se explica em sua própria estrutura, é fruto do desconhecimento que causa rejeição e como qualquer tipo de prejulgamento, causa prejuízos a quem sofre. Nem sempre buscar atendimento psicológico implica ter um transtorno mental grave, mas não é disso que vamos falar.
 De modo geral, a procura se dá quando o sofrimento já afeta de modo significativo a qualidade de vida do indivíduo. Costuma ser uma atitude muito pensada e quando comunicada a familiares e amigos acontecem as ironias, o pensamento "é frescura" e os relatos daqueles que "passaram por situações piores e venceram". É para muitos assinar um" atestado de fraqueza, de total incompetência" diante da própria vida. Algumas vezes é esse o dilema a ser enfrentado, além da própria dor: a falta de apoio, incompreensões. Isto está mudando, mas ainda acontece.
Durante muito tempo, pessoas que sofriam transtornos mentais sempre estiveram á margem da sociedade, associados a demônios, bruxas e o que havia de pior. Seres perigosos a quem apenas restava o abandono e o temor. Com o desenvolvimento, da Psiquiatria, Psicologia, Neurociência etc a busca por compreender e tratar estes fenômenos foi trazendo um novo olhar com estudos que cada vez mais dialogam com várias dimensões humanas seja fisiológica, emocional, social, espiritual etc. Tudo isso pouco a pouco vai diluindo preconceitos. 
É um processo ainda em curso e por isso pessoas portadoras de transtornos vivem o reflexo de toda essa visão equivocada do passado associada às visões não menos padronizantes do tempo presente. Resquícios desta perspectiva higienista ainda permanecem no discurso e na prática em diversos segmentos da sociedade. A informação pode ajudar.

TIPOS DE AGRESSÃO

Ah! Isso é uma fase, a tristeza vai embora, passa, fica assim, não.

Você é louca (o), precisa ser internada (o), é muito difícil conviver com você!

Isso é frescura, deixa disso, tudo pra você é doença!

Você quer moleza, vai trabalhar!

Se eu venci você também vai conseguir! Minha vida foi muito pior!


1) Transtorno de saúde emocional é doença

Os transtornos emocionais acontecem por uma série de fatores: biológicos, nutricionais, genéticos, familiares, pessoais... Ninguém tem controle total sobre todas as contingências da vida, quanto mais no desenvolvimento de um transtorno psiquiátrico.

2) A pessoa não escolhe sofrer nem para de sofrer

Não é "covardia", nem "frescura", nem para "chamar atenção" e muito menos "incompetência". Ninguém ataca uma pessoa ou a manda parar de espirrar porque está com gripe, por isso não adianta pedir para a pessoa com depressão parar de se sentir triste, por exemplo. Há pessoas cujos transtornos psiquiátricos se desenvolvem em função de alterações orgânicas e estar ou não bem não é ato da vontade e racionalidade.

3) Todos nós estamos suscetíveis

Como foi dito acima um transtorno de saúde emocional é fruto de fatores biopsicossociais diversos que não temos controle e nem total ciência. Deste modo, qualquer um de nós pode ter um transtorno. Sim, pode acontecer com qualquer pessoa independente de situação sócio-econômica, cor da pele, religião.

Para ter um transtorno mental basta ser pessoa. Se você é pessoa, faz parte do grupo de risco. Todos estamos abertos à possibilidade de alterações em nossas emoções.

Sim, podemos prevenir, assim como podemos prevenir as doenças cardiovasculares com alimentação balanceada, atividade física regular, reconhecimento e manejo das próprias emoções (quando não falamos de causas biológicas de transtornos mentais). A prevenção é possível, a assepsia não.

Pessoas do meio artístico, como Monique Evans (transtorno de Borderline) e Cassia Kis Magro (Bipolaridade e bulimia) e recentemente o Padre Fábio de Melo entre outros trouxeram a público a sua jornada quase sempre tortuosa com a doença e as incompreensões vividas. O corajoso relato destas pessoas públicas ajuda a diminuir o preconceito e superar falsas concepções sobre o transtorno. Dia 12 de abril é o Dia Nacional de Enfrentamento contra Psicofobia.

O cuidado e a atenção de pessoas com transtorno é muitas vezes intensivo e por isso difícil. Mas isso não justifica agressões e preconceitos. 

BUSQUE AJUDA

Há pessoas que por medo do preconceito e/ou por alimentar em si estes mesmos preconceitos, adiam a busca por ajuda, mesmo sentindo precisar muito. Deixo um link sobre os lugares que realizam atendimento social para aqueles que não podem custear o tratamento aqui no Rio de Janeiro. Existem também Neuróticos Anônimos, o Centro de Valorização da Vida. Graças à internet é possível descobrir outras possibilidades. Se souber de algum local que eu não saiba, deixe registrado que publicamos de algum modo.

Buscar ajuda

Associação Brasileira de Psiquiatria

Regina Bomfim









2 comentários:

  1. Infelizmente ainda é uma realidade o preconceito com as pessoas que buscam ajuda psicológica.

    ResponderExcluir



Topo