Homenagem ao centenário do poeta de múltiplas faces: Carlos Drummond de Andrade

As contradições do corpo
Carlos Drummond de Andrade

Meu corpo não é meu corpo, 
é ilusão de outro ser, 
Sabe a arte de esconder-me
e é de tal modo sagaz
que a mim de mim ele oculta.

Meu corpo, não meu agente, 
meu envelope selado,
meu revólver de assutar, 
toornou-se meu carcereiro
me sabe mais que me sei.

Meu corpo apaga a lembrança
que eu tinha da minha mente,
Inocula-me seu patos
me ataca, fere e condena
por crimes não cometidos

Seu ardil mais diabólico
está em me fazer doente.
Joga-me o peso dos males
que ele tece a cada instante
e me passa em revulsão

Meu corpo inventou a dor
a fim de torná-la interna,
integrante do emu Id,
ofuscadora da luz
que aí tentava espalhar-se

Outras vezes se diverte
sem que eu saiba ou deseje,
 e nesse prazer maligno,
que suas células impregna,
do meu mutismo escarnece.

Meu corpo ordena que eu saia
em busca do que não quero,
e me nega, ao se afirmar
como senhor do meu Eu
convertido em cão servil.

Meu prazer mais refinado,
não sou eu quem vai senti-lo
É ele, por mim, repace
e dá mastigados restos
à minha fome absoluta.

Se tento dele afastar-me, 
por abstração ignorá-lo,
volta a mim, com todo o peso
da sua carne poluída,
seu tédio, seu desconforto

Quero romper com meu corpo,
quero enfrentá-lo, acusá-lo,
por abolir minha essência, 
mas ele sequer me escuta
e vai pelo caminho oposto.

Já premido por seu pulso
de inquebrantável rigor
Não sou mais quem dantes era:
com volúpia dirigida,
volto a bailar com meu corpo.

Comentários