UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



PAROLAGEM DA VIDA: SOBRE A IMPORTÂNCIA DAS ARTES PEDINDO LICENÇA A DRUMMOND



Parolagem da Vida
(Carlos Drummond de Andrade)


Como a vida muda.

Como a vida é muda.

Como a vida é nula.

Como a vida é nada.
Como a vida é tudo.
Tudo que se perde
mesmo sem ter ganho.
Como a vida é senha
de outra vida nova
que envelhece antes
de romper o novo.
Como a vida é outra
sempre outra, outra
não a que é vivida.
Como a vida é vida
ainda quando morte
esculpida em vida.
Como a vida é forte
em suas algemas.
Como dói a vida
quando tira a veste
de prata celeste.
Como a vida é isto
misturado àquilo.
Como a vida é bela
sendo uma pantera
de garra quebrada.
Como a vida é louca
estúpida, mouca
e no entanto chama
a torrar-se em chama.
Como a vida chora
de saber que é vida
e nunca nunca nunca
leva a sério o homem,
esse lobisomem.
Como a vida ri
a cada manhã
de seu próprio absurdo
e a cada momento
dá de novo a todos
uma prenda estranha.
Como a vida joga
de paz e de guerra
povoando a terra
de leis e fantasmas.
Como a vida toca
seu gasto realejo
fazendo da valsa
um puro Vivaldi.
Como a vida vale
mais que a própria vida
sempre renascida
em flor e formiga
em seixo rolado
peito desolado
coração amante.
E como se salva
a uma só palavra
escrita no sangue
desde o nascimento:
amor, vidamor!

O PSICOLOGIA EM FOCO sempre teve como uma de suas propostas, a valorização de todas as expressões artísticas por considerar estas como um dos mais importantes instrumentos de emancipação do Homem.Não me refiro apenas aos grandes artistas que sensibilizaram a Humanidade com suas criações, mas também aos pequenos projetos de periferia dos artistas anônimos, multiplicadores do seu talento, condutores da beleza e da esperança  em ambientes carentes de tudo. Todos somos artistas no momento em que nossa alma em contemplação se enternece e se assombra com a Beleza e se descobre capaz de produzir Beleza.

Ouso dizer que o Homem tem sede de Beleza e do Sublime.

Em tempos de livrarias se extinguindo, de centros culturais, cinemas e teatros sofrendo para se manterem vivos, de escolas de teatro se deteriorando, de verbas destinadas à cultura sendo reduzidas precarizando bibliotecas e outras instituições públicas similares, dá uma tristeza tão grande ver tudo assim, mas é preciso continuar acreditando que a Humanidade em algum momento haverá de pesar os caminhos percorridos até então, pois, é fato que caminhamos para um impasse ético-moral que em algum momento teremos que repensar os nosso rumos. Que a sede do Belo e do Sublime prevaleçam. É  a minha torcida. Sempre...

Regina Bomfim



Comentários