UM PAPO SOBRE ECONOMIA

Photo by Olu Eletu on Unsplash
Será que para ter afeto, se sentir respeitado, você precisa abrir mão de si mesmo? Será que na economia dos sentimentos acaba sempre sendo um preço muito caro a ser pago?

Regina Bomfim



MASCULINO, FEMININO E PLURAL





O patriarcado com mais ou menos 5000 anos, teve como um de seus pilares assegurar a propriedade pela necessidade da certeza de seus descendentes para manter e ampliar a riqueza num espaço restrito. Casamento, virgindade, sexo, amor romântico, pecado, prazer, religião, o cinema, as novelas, as revistas, a música, os contos de fadas... Falar da complexa construção do patriarcado é retratar à primeira vista, o triunfo do masculino como voz a ser ouvida e protagonista heroico de todas as histórias, construtor do mundo, o provedor, a palavra final, o guardião da racionalidade, o que tem que ser viril, bem sucedido. 

Porém, estudos mostram que manter o ideal masculino provoca angústia, dificuldades afetivas. ​O masculino e o feminino entre ressentimentos e revanches, entre avanços e recuos, ainda passa por ajustamentos neste mundo e é preciso estar atento para que a justiça aconteça de modo que cada um seja quem quer ser sem a necessidade de domínio, da imposição de modelos, rigores... Será que não pode ser bom pra mim e pra você também? Que muitas discussões sobre o masculino e feminino venham, como tem sido agora. 

Infelizmente é preciso ainda o caos para desacelerarmos de reagir a tudo, sair de certos automatismos e começarmos a pensar sobre como melhor agir...

Regina Bomfim 

Comentários